March 18, 2010 / 11:27 PM / 7 years ago

ESTREIA-Em "Soul Kitchen", identidade cultural é tema de comédia

4 Min, DE LEITURA

SÃO PAULO (Reuters) - No cinema do turco-alemão Fatih Akin, cuja filmografia inclui obras como "Contra a Parede" e "Do Outro Lado", personagens de identidades socioculturais mais variadas tentam encontrar o seu lugar num mundo globalizado, no qual a fronteira entre as nações e as culturas nem sempre é clara.

Na comédia "Soul Kitchen", que recebeu o prêmio especial do júri no Festival de Veneza do ano passado, o cineasta mais uma vez coloca em cena pessoas cuja herança cultural pode ser tanto o que os aprisiona quanto os liberta.

O grande diferencial de "Soul Kitchen" em relação às últimas obras do diretor é o tom de comédia - ácida, negra e pastelão - que acompanha toda a narrativa.

Ao centro está um greco-alemão chamado Zinos (Adam Bousdoukos, "Contra a Parede"), dono do agonizante restaurante em Hamburgo que dá título ao filme. Ao redor dele, uma família informal, composta por seu irmão, Illias (Moritz Bleibtreu, "O Grupo Baader Meinhof), funcionários e agregados do estabelecimento.

Os problemas pessoais de Zinos e os profissionais começam a se confundir, deixando de existir uma linha que separe uns dos outros e transformando a vida do chef num verdadeiro caos. Sua namorada, Nadine (Pheline Roggan), está se transferindo para a China. O irmão, que está preso, consegue o benefício da prisão-albergue, mas isso exige que Zinos lhe dê um emprego de fachada no restaurante.

O restaurante Soul Kitchen também parece ter conhecido dias melhores. A última chance de Zinos está em sua nova contratação, um chef pouco ortodoxo e com uma quedinha para atirar facas na parede, chamado Shayn (Birol Ünel, de "Transilvânia").

As novidades que ele traz para o cardápio logo transformam o lugar num grande sucesso, agradando especialmente junto ao público jovem, que começa a lotar o local.

Ainda assim, a vida de Zinos está de cabeça para baixo - especialmente porque sente falta da namorada.

Uma agente do imposto de renda (Catrin Striebeck), outro da fiscalização sanitária (Jan Fedder), e um agente imobiliário (Wotan Wilke Moehring) estão de olho no lugar, o que faz o proprietário deixar o restaurante nas mãos do irmão e viajar para a China para se encontrar com Nadine.

Akin e Bousdoukos, que assinam o roteiro, não seguem caminhos óbvios. "Soul Kitchen" toma rumos inesperados, com reviravoltas e surpresas e uma dezena de personagens excêntricos - nenhum deles mal construído ou inverossímil.

Dos personagens femininos quem sobressai são a garçonete Lucia (Anna Bederke), que se envolve com Illias, mesmo contra o seu juízo, e a fisioterapeuta Anna (a húngara Dorka Gryllus, de "Irina Palm"), que tenta ajudar Zinos com o seu mau jeito na coluna - detalhe, aliás, que causa algumas das cenas mais inusitadas do filme.

Ao final, "Soul Kitchen" é uma carta de amor de Akin e Bousdoukos à sua cidade natal, Hamburgo. É pouco provável que um grupo de personagens tão díspares fosse se encontrar - mas, no restaurante, os mesmos sonhos e anseios são o que os une. As culturas diferentes não são causa de choques, mas de complemento. Assim, cada um deles procura o seu lugar num mundo globalizado, sem perder sua identidade cultural própria. Como o cinema de Akin.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below