19 de Março de 2010 / às 21:03 / em 8 anos

Produtor e ex-namorado pede US$30 mi em ação contra Lady Gaga

NOVA YORK (Reuters) - Um ex-produtor de Lady Gaga está processando sua antiga protegida por mais de 30 milhões de dólares, afirmando ter ajudado a cantora a fazer sucesso mas não ter lucrado com isso depois que o namoro deles chegou ao fim.

Em sua ação, aberta na quarta-feira na Suprema Corte do Estado de Nova York, Rob Fusari afirma que foi a figura chave na transformação da jovem ambiciosa Stefani Germanotta no fenômeno pop que ela é hoje, tendo até ajudado a cunhar seu nome artístico, Lady Gaga.

Mas, quando o romance deles terminou, Fusari teria sido excluído do contrato de Lady Gaga com uma gravadora, não teria recebido os royalties aos quais teria direito sobre suas vendas musicais subsequentes e não teria recebido o valor integral dos honorários de produtor que lhe eram devidos.

“Todas as relações de negócios são pessoais,” diz a ação. “Quando essas relações pessoais viram relações românticas, qualquer relacionamento comercial correspondente geralmente segue a mesma trajetória, de modo que, quando uma das relações acaba, todas são prejudicadas. Foi o que aconteceu aqui.”

Lady Gaga, que tem 23 anos e já recebeu dois prêmios Grammy, é vista como uma das novas artistas pop mais empolgantes dos últimos tempos. Ela já vendeu mais de 10 milhões de álbuns em todo o mundo.

Ela fascina seus fãs delirantes com sucessos como “Bad Romance” e “Poker Face” e eletrizou plateias com façanhas como atear fogo a seu piano na entrega dos American Music Awards ou fazer falso sangue pingar de suas costelas durante uma apresentação ao vivo.

A ação judicial relata como Gaga conheceu Fusari, em março de 2006, através de um amigo mútuo. Ele não se impressionou com a aparência dela, mas pediu a ela que cantasse, e “em questão de segundos” ficou maravilhado.

“Fusari achou que as canções de Germanotta eram ótimas, mas que lhes faltava apelo comercial. Ele a incentivou a explorar gêneros musicais diferentes,” diz a ação.

A ação relata como Fusari teria começado a moldar a imagem de Germanotta, chegando a inspirar o nome Lady Gaga por acaso.

“Um dia, quando Fusari mandou uma mensagem de texto por celular a Germanotta, assinando-a ‘Radio Ga Ga’, o corretor de texto do celular converteu ‘rádio’ em ‘lady’. Germanotta gostou, e foi assim que nasceu o nome ‘Lady Gaga’.”

Mas o estresse de trabalhar juntos teria começado a impactar a relação deles, e eles começaram a brigar. Fusari chega a dizer na ação que Lady Gaga foi “verbalmente abusiva.” Eles cortaram relações em janeiro de 2007.

Fusari alega que um contrato fechado em 2007 entre a empresa Mermaid Music LLC, de Lady Gaga, e a gravadora Interscope lhe dá direito a 20 por cento dos lucros, uma parcela do merchandising e outras receitas. Ele também pede royalties e honorários de produtor que afirma nunca terem sido pagos.

O produtor já ajudou a produzir música para Bone Thugs-N-Harmony, Will Smith e Destiny’s Child, segundo relatos diversos da mídia.

Não foi possível obter declarações imediatas de uma representante de Lady Gaga.

Reportagem de Basil Katz

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below