Negociante de Nova York põe "Lista de Schindler" à venda

quarta-feira, 24 de março de 2010 19:35 BRT
 

NOVA YORK (Reuters) - Um vendedor de memorabília de Nova York está colocando à venda o que afirma ser a última cópia em mãos particulares de um manuscrito da Segunda Guerra Mundial contendo nomes de judeus, conhecido como "a lista de Schindler" e celebrizado num filme de 1993 com esse título.

A lista foi redigida pelo industrial alemão Oskar Schindler, que salvou mais de mil judeus do Holocausto ao empregá-los em sua fábrica durante a Segunda Guerra Mundial.

O negociante nova-iorquino de memorabília Gary Zimet, que está pedindo 2,2 milhões de dólares pelo documento, disse que três outras cópias da lista pertencem a museus, incluindo o Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos, em Washington, e o memorial do Holocausto Yad Vashem, em Jerusalém.

Zimet, que está representando o vendedor do manuscrito, disse à Reuters que o documento foi guardado durante mais de 55 anos pela família do contador de Oskar Schindler, Itzhak Stern. Recentemente, disse Zimet, a família de Stern o vendeu ao dono atual, não identificado.

Datado de 18 de abril de 1945 e datilografado sobre papel fino, a lista ligeiramente gasta nas bordas que está sendo posta à venda por Zimet contém 801 nomes, todos de homens, e tem 14 páginas. É uma cópia carbono feita na época em que foi datilografada, e traz os nomes dos trabalhadores, suas datas de nascimento e seus cargos.

Schindler salvou vidas durante a Segunda Guerra Mundial ao empregar judeus em fábricas de munições e outras que ele possuía. As nove ou dez listas de funcionários que ele enviou aos nazistas ficaram conhecidas coletivamente como "A Lista de Schindler", disse Crowe.

(Reportagem de Basil Katz)