Danny Glover vê "destruição da 2a Guerra" no Haiti

sexta-feira, 26 de março de 2010 20:40 BRT
 

PORTO PRÍNCIPE (Reuters) - O ator norte-americano Danny Glover comparou na sexta-feira a devastação causada pelo terremoto de janeiro no Haiti à destruição ocorrida na Segunda Guerra Mundial, mas afirmou que o mundo está "prestando atenção" e pronto para ajudar.

O astro de "Máquina Mortífera", ex-embaixador da boa vontade da ONU, fez as declarações durante visita ao Haiti, onde viu acampamentos com alguns dos centenas de milhares de desabrigados do país.

"Temos de entender a magnitude disto, realmente a magnitude disto", disse Glover à Reuters antes de se encontrar com outro astro de Hollywood, Sean Penn, que tem uma entidade beneficente operando em um dos maiores acampamentos de sobreviventes, no campo de golfe do bairro de Petionville.

"Isto é (...) (igual às) imagens que eu lembro de olhar, vendo os restos, o depois da Segunda Guerra Mundial", disse Glover, que foi se encontrar com Penn acompanhado da deputada democrata norte-americana Barbara Lee.

Antes, o ator havia visitado a cidade de Leogane, a sudoeste de Porto Príncipe, que fica ainda mais perto do epicentro do tremor do dia 12 de janeiro e por isso foi ainda mais devastada.

O governo diz que até 300 mil pessoas podem ter morrido na tragédia, considerada por alguns especialistas como o pior desastre natural do mundo em tempos modernos.

Citando uma frase usada por Dominique Strauss-Khan, diretor-geral do FMI, Glover disse que o Haiti precisaria de um "Plano Marshall" para se recuperar, numa alusão à enorme ajuda financeira dada pelos EUA à Europa depois da Segunda Guerra Mundial.

Para Glover, os países da América deveriam aproveitar o terremoto como uma oportunidade para ajudar o seu vizinho mais miserável. "Acho que o mundo ainda está prestando atenção", disse ele, lembrando que na quarta-feira que vem haverá em Nova York uma reunião de doadores internacionais para o Haiti.

(Reportagem de Pascal Fletcher)

 
<p>O ator norte-americano Danny Glover, de "M&aacute;quina Mort&iacute;fera", ex-embaixador da boa vontade da ONU. 22/05/2009 REUTERS/Regis Duvignau</p>