Cantora Shakira se prepara para construir escola no Haiti

segunda-feira, 12 de abril de 2010 15:31 BRT
 

Por Rodrigo Gutierrez

PORTO PRÍNCIPE (Reuters) - A cantora colombiana Shakira teve um encontro no domingo com crianças que sobreviveram ao terremoto no Haiti, enquanto sua organização de caridade se prepara para construir uma escola no país caribenho devastado pela catástrofe.

A cantora, que já se uniu a atores de Hollywood e outras celebridades globais para levantar fundos para as vítimas do terremoto de 12 de janeiro, chegou à capital devastada do Haiti, Porto Príncipe, em um jatinho particular.

No local onde será erguida sua escola Haiti Descalça, ela encontrou cerca de 100 crianças, algumas das quais dançaram ao som de suas canções. Em seguida ela visitou um acampamento em um campo de golfe onde quase 50 mil pessoas estão abrigadas. Ali encontrou o ator norte-americano Sean Penn, cuja própria organização de caridade também está ajudando as vítimas.

Em rápida entrevista à Reuters, Shakira disse: "Viemos para fazer todos os preparativos para iniciar a construção de uma escola Descalça aqui no Haiti."

Ela explicou que a escola seguirá o modelo de estabelecimentos semelhantes criados por sua Fundação Pés Descalços, que dá educação, alimentação e apoio psicológico a mais de 6.000 crianças colombianas deslocadas pela violência.

"Achamos que podemos empregar aqui o que aprendemos na Colômbia, empregá-lo neste país que precisa de tanta coisa neste momento", disse Shakira. A escola no Haiti será construída e administrada com outras organizações não-governamentais.

Descrito por alguns especialistas como o desastre natural mais fatal da história moderna, o terremoto do Haiti pode ter deixado mais de 300 mil mortos, segundo o governo haitiano. Além disso, deixou mais de 1 milhão de pessoas desabrigadas, muitas delas crianças pequenas que ficaram órfãs.

 
<p>Shakira ao lado de sobrevivente do terremoto em Porto Pr&iacute;ncipe. A cantora colombiana teve um encontro no domingo com crian&ccedil;as que sobreviveram ao terremoto no Haiti, enquanto sua organiza&ccedil;&atilde;o de caridade se prepara para construir uma escola no pa&iacute;s caribenho devastado pela cat&aacute;strofe. 11/04/2010 REUTERS/Noel Wilfrid</p>