ESTREIA-"Tudo pode dar certo" marca volta de Woody Allen a NY

quinta-feira, 29 de abril de 2010 14:33 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - Woody Allen volta ao seu lar cinematográfico, Nova York, com a comédia "Tudo Pode Dar Certo". Depois de uma temporada de quatro filmes europeus --apenas temporariamente interrompida aqui-- ele volta à sua cidade.

No filme, Allen mergulha mais uma vez numa história de amor entre duas pessoas totalmente improváveis. Um físico nuclear sessentão, intelectual, pessimista e pedante, Boris Yellnikoff (Larry David, co-criador da série "Seinfeld") e uma jovenzinha loura, caipira e ingênua, Melody St. Anne Celestine (Evan Rachel Wood).

O filme estreia em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre.

Interpretando o papel que seria de Woody Allen, caso ele atuasse no longa, David mostra-se uma versão altamente mais ácida e amarga do que o diretor seria. Falta-lhe aquele toque de fragilidade e confusão que torna Allen digno de compaixão e simpatia.

David provoca deliberadamente a fúria do espectador e de todos à sua volta, encarnando um homem vaidoso e profundamente ferido em sua autoestima e que, por isso, descarrega sua bílis em todas as direções.

Nenhum encontro humano genuíno se faz sem alguma contradição ao próprio comportamento habitual. Isso acontece inclusive ao antissocial Boris, quando ele contraria a própria impiedade militante e acolhe em sua casa Melody, a garota sulista que desembarcou em Nova York cheia de ilusões e agora sequer tem um canto onde dormir.

Com uma formação totalmente oposta à de Boris, numa família típica do Mississipi, cristã praticante, conservadora e armamentista, Melody empolga-se com o discurso pessimista crônico de seu anfitrião, sempre jogando a absoluta falta de sentido do universo na cara dos otimistas e sorridentes, como ela.

Ele já desistiu da primeira esposa por ser perfeita demais e até tentou o suicídio --e falhou. Se levasse a própria filosofia niilista às últimas consequências, ele só poderia procurar a morte outra vez. Mas, evidentemente, não faz, usando seu vício do pessimismo como estímulo cômico neste romance de contraste.

Um saboroso núcleo complementar se estabelece quando os pais de Melody, cada um por sua vez, vão em busca da filha. A mãe, Marietta (Patrícia Clarkson), chega de malas na mão e disposta a ficar, diante de mais uma traição do marido, John (Ed Begley Jr.).   Continuação...

 
<p>Woody Allen comparece &agrave; estreia de seu filme "Tudo Pode Dar Certo" em Paris. O filme estreia nesse final de semana em circuito nacional. 19/06/2009 REUTERS/Gonzalo Fuentes</p>