11 de Maio de 2010 / às 20:39 / 7 anos atrás

Peter Frampton aos 60 anos: "Você se sente como eu?"

<p>Peter Frampton em hotel de Nova York. Ao completar 60 anos, Frampton diz sentir que reencontrou o pique criativo que fez dele um dos maiores nomes do rock. 26/04/2010 REUTERS/Steve James</p>

Por Steve James

NOVA YORK (Reuters) - Os longos cabelos loiros agora estão curtinhos, e ele acaba de completar 60 anos, mas Peter Frampton sente que reencontrou o pique criativo que fez dele um dos maiores nomes do rock.

Ele admite que a energia que fez de seu álbum de 1976 “Frampton Comes Alive” o disco de rock gravado ao vivo mais vendido da história perdeu-se durante muitos anos em uma névoa regada a álcool e drogas.

“Fiquei sóbrio sete anos atrás. Não que eu fosse um usuário habitual, mas eu bebia, me drogava, consumia o que aparecesse”, disse o roqueiro à Reuters em entrevista recente.

“Eu já fazia isso havia algum tempo, e você nunca chega ao ponto em que consegue pensar com clareza suficiente para amadurecer ou crescer. Isso atrofia seu crescimento como pessoa.”

“Tive que fazer o que tive que fazer para chegar aonde estou agora, mas o que estou dizendo é que a clareza que tenho agora, o desfrutar da criatividade, é muito maior”, disse Frampton.

Nascido na Grã-Bretanha, o guitarrista tornou-se cidadão norte-americano após os ataques de 2001 e atualmente vive em Cincinnati com sua terceira mulher, Tina. Ele diz que a prova do que declara está em seu novo álbum, “Thank You Mr. Churchill”, que o traz em clima introspectivo e nostálgico, coisa que não surpreende para um homem que completou 60 anos no mês passado.

“Eu tinha um trecho de música na cabeça e uma ideia: como teria sido se meu pai não tivesse retornado da guerra? Se os Aliados não tivessem vencido?”

Mas o pai de Frampton retornou da guerra, sim, e foi sua família quem deu o pontapé inicial na jornada musical de sua vida.

Seu pai tinha tocado guitarra em uma banda na faculdade, e sua mãe ganhara uma bolsa de estudos para uma escola de teatro, embora não tivesse cursado a escola. Mas foi um banjolele (um híbrido de banjo e ukulelê) de sua avó, fã do teatro de revista, que o levou a se interessar por música, quando Frampton tinha 7 anos de idade.

Mais tarde, sua avó --imortalizada na faixa “Vaudeville Nanna and the Banjolele”, no novo álbum-- compraria a primeira guitarra para Peter e, quando ele ouviu artistas americanos como Eddie Cochrane e Buddy Holly no rádio, o fascínio pelo instrumentou deitou raízes.

Como muitos guitarristas ingleses, porém, suas maiores influências foram Hank Marvin, do The Shadows, e Bert Weedon.

Ainda na escola, Frampton fez parte de uma banda chamada TrueBeats. “Ela começou basicamente graças aos Shadows e a Hank Marvin. Ele foi a razão que me levou a querer ser guitarrista.”

Mais de quatro décadas depois, Frampton conseguiu que Marvin tocasse em seu álbum “Fingerprints.” “Foi como um sonho que se realizou.”

Frampton abandonou a escola aos 16 anos e entrou para uma banda londrina, The Herd, que teve alguns sucessos pop psicodélicos. Mas, para Frampton, essa banda não passou de uma ponte para coisas maiores.

Sua beleza juvenil fotogênica o levou a ser chamado de “O Rosto de ‘68” pela revista teen britânica Rave. Mas foi sua performance na guitarra que o levou a ser notado, e naquele ano ele formou a banda Humble Pie com Steve Marriott, do Small Faces.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below