Morre aos 77 poeta russo do degelo pós-Stalin Andrei Voznesensky

terça-feira, 1 de junho de 2010 13:23 BRT
 

MOSCOU (Reuters) - O poeta russo Andrei Voznesensky, que ganhou destaque durante o degelo que se seguiu à morte do ditador Josef Stalin e que nunca se curvou ao Kremlin, morreu em Moscou na terça-feira aos 77 anos.

O primeiro-ministro Vladimir Putin, em telegrama enviado na terça à viúva de Voznesensky, disse que o poeta amado "tornou-se verdadeiramente uma pessoa de influência dominante".

"Sua poesia e sua prosa se tornaram um hino à liberdade, ao amor, à nobreza e aos sentimentos sinceros", disse Putin.

Arquiteto por formação e apaixonado pela pintura, Voznesensky acabou optando por tornar-se poeta, e suas obras, que começaram a ser publicadas em 1958, em pouco tempo o tornaram famoso na União Soviética.

"Seu ingresso na literatura foi rápido e turbulento. Fico feliz por ter vivido para assistir a isso", escreveu a Voznesensky quando este tinha 14 anos o poeta e romancista russo Boris Pasternak, futuro ganhador do Prêmio Nobel de Literatura que foi oprimido em seu país. O poeta ainda adolescente lhe tinha enviado alguns de seus versos para ter a opinião de Pasternak.

Voznesensky viveu como recluso nos últimos anos, e seus amigos disseram que ele estava sofrendo de uma doença não identificada.

Como muitos outros jovens escritores, poetas e pintores da chamada "geração dos anos 1960", Voznesensky desfrutou de alguma liberdade em meio ao degelo político que se seguiu às três décadas de governo brutal de Stalin.

O público e a crítica especializada o tratavam como clássico vivo, que fazia experimentos destemidos com metáforas excêntricas, sistemas rítmicos complexos e efeitos de áudio.

Algumas de suas obras foram convertidas em produções teatrais, como é o caso de "Juno e Avos", que virou ópera e tornou-se sucesso perene no teatro Lenkom, em Moscou. Outras foram encenadas na Rússia e no exterior.

(Por Dmitry Solovyov)

 
<p>O ent&atilde;o presidente da R&uacute;ssia Vladimir Putin (esq) entrega pr&ecirc;mio do estado ao poeta Andrei Voznesensky no Kremlin em 2004. Voznesensky, que ganhou destaque durante o degelo que se seguiu &agrave; morte do ditador Josef Stalin e que nunca se curvou ao Kremlin, morreu em Moscou na ter&ccedil;a-feira aos 77 anos. 25/06/2004 REUTERS/Itar-Tass/Arquivo</p>