Único Nobel da Língua Portuguesa, Saramago morre aos 87 anos

sexta-feira, 18 de junho de 2010 17:31 BRT
 

Por Axel Bugge e Inmaculada Sanz

LISBOA/MADRI (Reuters) - O escritor português José Saramago, único do seu idioma a receber o Nobel de Literatura, morreu na sexta-feira aos 87 anos na sua casa, em Lanzarote, nas Ilhas Canárias (Espanha). Ele deixa uma obra em que o realismo mágico se misturava à crítica política e à simpatia pelos oprimidos.

Militante de carteirinha - era filiado ao Partido Comunista de Portugal -, Saramago conheceu a aclamação do Prêmio Nobel, em 1998, mas também várias polêmicas no decorrer da sua longa carreira literária, por causa da abordagem crítica em relação à história portuguesa, ao conservadorismo e à religião.

A Fundação Saramago disse que ele morreu vítima de uma múltipla falência dos órgãos, após uma prolongada doença. O corpo do escritor está sendo velado em sua biblioteca, na casa de Lanzarote.

"Penso que se trata de uma grande perda para a cultura portuguesa", disse o primeiro-ministro de Portugal, José Sócrates, a jornalistas. Saramago, afirmou ele, "deixou uma obra que orgulha o país ..., e o seu desaparecimento torna a nossa cultura mais pobre".

O presidente Aníbal Cavaco Silva disse que o escritor "será sempre uma figura de referência da nossa cultura".

Na sua última polêmica, no ano passado, Saramago irritou a Igreja Católica ao declarar, no lançamento do seu romance "Caim", que a Bíblia era um "manual de maus costumes" e um "catálogo do que há de pior na natureza humana".

Seus confrontos com as autoridades portuguesas eram frequentes também, o que talvez ajude a explicar por que parecia ser mais popular no exterior do que no seu país. "Ele talvez fosse mais conhecido fora do que em Portugal", disse o escritor Batista Bastos.

ATRITOS COM A IGREJA   Continuação...

 
<p>O vencedor do Pr&ecirc;mio Nobel da Literatura, Jos&eacute; Saramago, durante sua exposi&ccedil;&atilde;o "Consist&ecirc;ncia dos Sonhos" em Lisboa em 2008. Saramago morreu aos 87 anos nesta sexta-feira nas Ilhas Can&aacute;rias. 23/04/2008 REUTERS/Nacho Doce</p>