Vítima de Polanski se diz satisfeita com decisão da Suíça

terça-feira, 13 de julho de 2010 11:16 BRT
 

PARIS (Reuters) - A mulher que causou a condenação do cineasta Roman Polasnki por ter relações sexuais ilegalmente quando ela era menor disse nesta terça-feira estar satisfeita com a decisão da Suíça de não extraditá-los aos Estados Unidos por seu crime em 1977.

Samantha Geimer, hoje mãe de três filhos e com 40 e poucos anos, pediu repetidas vezes que o caso fosse arquivado. A Suíça se negou na segunda-feira a entregá-lo e o diretor foi libertado após meses de prisão domiciliar.

"Estou satisfeita com a decisão e espero que o promotor público encerre o caso e termine de uma vez por todas", disse Samantha à rádio francesa Europe 1.

Polanski se declarou culpado de ter relações sexuais com Geimer, na época com 13 anos, depois de lhe dar champanhe e drogas.

Ele fugiu antes de receber sua sentença em 1978, dizendo acreditar que o juiz revogaria um acordo sob o qual seus 42 dias de detenção recebendo avaliação psiquiátrica seriam considerados sua pena completa.

A esposa de Polanski, atriz francesa e cantora Emmanuelle Seigner, disse em entrevista à revista Libération que a decisão da Suíça representa um grande alívio.

"É o fim de um terrível pesadelo, principalmente para nossos dois filhos", disse ela. "Eu não poderia imaginar outro resultado. Hoje, as autoridades suíças perceberam a injustiça desse caso."

A libertação de Polanski foi amplamente bem recebida na França, onde o diretor reside e é cidadão.

O paradeiro de Polanski, aclamado internacionalmente por filmes como "Chinatown" e "O Pianista", foi mantido em sigilo na terça-feira. Seu advogado francês se negou a comentar informações de que o diretor estaria retornando à França a partir de seu chalé em Gstaad, na Suíça, onde esteve em prisão domiciliar desde dezembro passado.

(Reportagem de Julien Ponthus)

 
<p>Samantha Geimer, na estreia do document&aacute;rio da HBO "Roman Polanski: Procurado e Desejado" em Nova York em 2008. Samantha, com quem o cineasta Roman Polasnki foi condenado por ter rela&ccedil;&otilde;es sexuais ilegalmente quando ela era menor disse nesta ter&ccedil;a-feira estar satisfeita com a decis&atilde;o da Su&iacute;&ccedil;a de n&atilde;o extradit&aacute;-los aos EUA. 06/03/2008 REUTERS/Lucas Jackson</p>