29 de Julho de 2010 / às 13:24 / 7 anos atrás

ESTREIA-"Salt" consagra Angelina Jolie como heroína de ação

<p>Angelina Jolie durante lan&ccedil;amento do filme "Salt" em Hollywood. O filme estreia neste final de semana em circuito nacional. 19/07/2010Mario Anzuoni</p>

SÃO PAULO (Reuters) - Com um cachê de 20 milhões de dólares, dispensando dublês e praticamente levando o filme nas costas, a filantropa Angelina Jolie torna-se com "Salt" a maior atriz do cinema de ação dos últimos tempos.

E mais: com apenas 35 anos, Jolie conseguiu transcender os gêneros cinematográficos e ter seu trabalho reconhecido nos mais diferentes papéis. O filme estreia em circuito nacional, em cópias dubladas e legendadas.

Com um Globo de Ouro por sua perfomance em "Gia" (1998) e um Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por "Garota Interrompida" (1999), Angelina ainda faturou mais de 1,5 bilhão de dólares apenas com seus personagens de ação: "60 Segundos" (2000), a franquia "Lara Croft - Tomb Raider" (2001 e 2003), "Sr. e Sra. Smith" (2005) e "O Procurado" (2008).

Dirigida pelo cineasta Phillip Noyce, com quem já havia trabalhado em "O Colecionador de Ossos", a atriz chega às telas como a agente da Agência Central de Inteligência (CIA) Evelyn Salt, que pode ou não ser uma espiã russa infiltrada na entidade.

Sua real identidade é colocada em xeque em frente a seus colegas de serviço de inteligência, Ted (Liev Schreiber, de "Um Ato de Liberdade") e Peabody (Chiwetel Ejiofor, de "2012"), em um interrogatório oficial.

Nele, um desertor russo, Orlov (o veterano ator polonês Daniel Olbrychski), afirma existir um plano para assassinar o presidente da Rússia em solo americano, criando um desentendimento entre as duas nações.

A operação seria liderada por um espião, integrante de uma elite de agentes secretos russos --cooptados ainda crianças--, que teria sido criada especificamente para destruir os Estados Unidos. No fim do depoimento, no entanto, Orlov diz que o nome do tal espião é Evelyn Salt, o que a leva a ser perseguida como terrorista.

O roteirista Kurt Wimmer, de "Ultraviolet", dá início, assim, a uma implacável perseguição para provar a inocência, ou não, da protagonista. Escrever mais é praticamente estragar o desfecho.

Curiosamente, na vida real, pouco antes de o filme chegar aos cinemas norte-americanos, dez espiões russos foram detidos no país, vivendo como norte-americanos comuns. Não poderia haver melhor momento.

Embora não tenha desbancado o primeiro lugar de "A Origem", de Christopher Nolan, nas bilheterias norte-americanas em sua estreia, "Salt" possui todas as qualidades que um bom thriller precisa. Ou seja, muita ação, reviravoltas, agilidade, e, claro, Angelina Jolie.

Resta saber como teria sido o resultado desta produção se fosse protagonizado por Tom Cruise, para quem o roteiro foi escrito originalmente, e mais tarde adaptado para a atriz.

Num gênero dominado por homens, as mulheres têm em Jolie uma representante de peso na cinematografia do gênero.

(Por Rodrigo Zavala, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below