Festival Fringe, de Edinburgo, inicia sua maior edição

sexta-feira, 6 de agosto de 2010 19:35 BRT
 

Por Ian MacKenzie

EDINBURGO (Reuters Life!) - O festival Edinburgh Fringe, maior celebração artística anual do mundo, abriu oficialmente sua 64a edição na sexta-feira, com espetáculos que vão de um drama shakespeareano até o rap assanhado de uma californiana de 77 anos.

Ao todo, são 2.453 atrações de comédia, música, teatro e dança, de 50 países, em 259 locais da capital escocesa.

O Fringe vai até 30 de agosto, paralelamente aos festivais Internacional e do Livro. O evento ao longo dos anos tem revelado grandes talentos, e se tornou atração obrigatória para agentes e empresários do entretenimento.

Neil Mackinnon, diretor de assuntos externos do Fringe, disse que a recessão global não impediu que o festival recebesse "mais espetáculos de mais companhias e artistas do que nunca antes".

"Estamos absolutamente convencidos de que neste agosto Edinburgo pode oferecer genuinamente algo para todos, com a mais diversa gama de atrações que você irá encontrar em todo o mundo."

A comediante Lynn Ruth Miller, de 77 anos, prometeu numa pré-estreia no Clube Escocês das Artes que irá apresentar "uma prova ultrajante de que mesmo quando as partes do corpo caem até o seu tornozelo elas ainda podem balançar".

Para o jornal "The Times", um dos candidatos ao título de atração mais estranha é "Soap" ("sabão"), um teatro de revista dentro de banheiras, com "acrobacias e uma primeira fila molhadíssima na plateia".

Há espaço também, é claro, para os grandes nomes do teatro e da comédia, como o ator Simon Callow, em "Shakespeare the Man from Stratford." O ator, diretor e empresário teatral Guy Masterson, habitué do Fringe, faz várias apresentações, inclusive monólogos baseados em "A Revolução dos Bichos", de George Orwell, e "Under Milk Wood", de Dylan Thomas.   Continuação...