Setor de cinema de Berlim vive boom, apesar da crise econômica

quarta-feira, 18 de agosto de 2010 13:01 BRT
 

Por Sarah Marsh

BABELSBERG, Alemanha, 18 de agosto (Reuters Life!) - A indústria do cinema de Berlim está vivendo um boom, com baixos custos de produção, subsídios generosos e prestígio cultural que atraem alguns dos maiores cineastas do mundo, à procura de verbas na esteira da crise econômica.

Desde Quentin Tarantino até Roman Polanski, cineastas universalmente aclamados estão indo filmar na capital da Alemanha, produzindo sucessos como "Bastardos Inglórios" e "O Escritor Fantasma" enquanto talentos nacionais como Til Schweiger e Roland Emmerich retornam de Hollywood para tomar parte na festa.

O que falta à indústria cinematográfica de Berlim em tamanho, muito inferior ao de Hollywood, é compensado em prestígio, já que a indústria conquistou dezenas de prêmios nos últimos anos, incluindo um punhado de Oscars.

"Berlim possui alguns fatores de sucesso cruciais, um dos quais é a própria cidade. As pessoas querem estar em Berlim, simplesmente", disse Carl Woebcken, executivo-chefe do Babelsberg, o mais antigo complexo de estúdios em grande escala do mundo, situado a pouca distância de trem do centro da cidade.

Desde a reunificação alemã, duas décadas atrás, Berlim passou por uma metamorfose, transformando-se de cidade dividida e assediada em meca cultural moderna, com profissionais criativos em busca de aluguéis baratos e uma maneira de fugir do establishment.

"Custa relativamente pouco fazer filmes em Berlim", disse Woebcken à Reuters, falando em um escritório amplo com vista para os quase 50 hectares do estúdio.

"Além disso, temos em volta de Berlim uma diversidade muito grande de locações que outros lugares não têm -- todas essas bases militares e tantos tipos diferentes de arquitetura, desde a antiga até a nova, desde a Alemanha Oriental comunista até a nazista", disse ele.

Houve um tempo -- antes de os nazistas tomarem o poder, em 1933 -- em que a indústria cinematográfica de Berlim rivalizava com a de Hollywood, produzindo clássicos como "O Anjo Azul", com a jovem Marlene Dietrich, e a obra-prima futurista "Metrópolis", de Fritz Lang.   Continuação...

 
<p>Set de filmagens pr&oacute;ximo aos est&uacute;dios Babelsberg em Potsdam. A ind&uacute;stria do cinema de Berlim est&aacute; vivendo um boom, com baixos custos de produ&ccedil;&atilde;o, subs&iacute;dios generosos e prest&iacute;gio cultural. 16/08/2010 REUTERS/Thomas Peter</p>