Gravações demo de Bob Dylan são lançadas em novo disco "Bootleg"

quarta-feira, 25 de agosto de 2010 12:07 BRT
 

LOS ANGELES (Reuters) - A gravadora de Bob Dylan acabou de tirar a poeira de 47 gravações demo do cantor entre 1962 e 1964 para a última investida em seu extenso arquivo.

"The Bootleg Series Volume 9 -- The Witmark Demos" deve chegar às lojas no dia 19 de outubro, no mesmo dia em que a Columbia Records lançará uma coletânea com músicas em mono dos primeiros oito álbuns de Dylan.

A Columbia lançou os "Bootleg Series" de Dylan em 1991, e a mais recente coletânea foi lançada em 2008, "Tell Tale Signs".

As gravações demo de Witmark já são distribuídas ilegalmente há muito tempo por colecionadores, incluindo versões antigas de músicas como "Blowin' In The Wind", "The Times They Are A Changin'" e "Masters Of War".

Dylan, com o acompanhamento de seu violão, gaita e às vezes do piano, gravou as canções para sua primeira gravadora, a Leeds Music, em janeiro de 1962, e para sua segunda gravadora, a M.Witmark & Sons, entre 1962 e 1964 -- todos antes de completar seus 24 anos.

As gravadoras então passavam suas músicas a outros artistas, e é por isso que algumas canções foram gravadas pelas vozes de outros artistas como Stevie Wonder ("Blowin' In The Wind"), Judy Collins ("Tomorrow Is A Long Time") e Byrds ("Mr Tambourine Man").

Segundo a Columbia, 15 músicas de Dylan nunca foram lançadas oficialmente, apesar de um dos listados, o conto sobre os direitos civis "The Death Of Emmett Till", ter aparecido na compilação da Smithsonian Folkways em 1972, "Broadside Ballads, Vol. 6: Broadside Reunion."

A coletânea, "Bob Dylan - The Original Mono Recordings", contém oito álbuns reproduzidos a partir das primeiras versões das músicas gravadas em mono. A coleção abrange desde seu disco auto-intitulado de estreia de 1962 ao "John Wesley Harding", em 1967, incluindo o disco dublo "Blonde on Blonde".

Muitos desses discos foram relançados em versão estéreo SACD em 2003.

Gravação em mono era muitas vezes preferível para as gravações de artistas como Dylan e os Beatles (que relançaram versões em mono de seus discos no ano passado), enquanto gravações em estéreo ficavam com os engenheiros de som.

(Reportagem de Dean Goodman)