Lindsay Lohan admite falhas, mas diz que carreira não acabou

terça-feira, 31 de agosto de 2010 13:24 BRT
 

NOVA YORK (Reuters Life!) - A atriz Lindsay Lohan admitiu, em entrevista divulgada nesta terça-feira, que foi irresponsável, mas minimizou os problemas com álcool e drogas e disse que sua habilidade de atuar ainda está intacta.

Lohan, de 24 anos, solta recentemente da cadeia e liberada de um programa de reabilitação, agora vai participar de aulas de terapia comportamental duas vezes por semana. Ela disse que está bem, em uma entrevista à revista Vanity Fair, concedida uma semana antes do início de sua pena.

"Não me importo com o que dizem. Eu sei que sou uma ótima atriz", afirmou. "E sei que no meu passado eu era jovem e irresponsável, mas isso é amadurecer. Você aprende com os erros."

Os relatos de abuso de álcool foram exagerados, disse a atriz. Segundo ela, lidar com o pai foi muito mais difícil.

"Acho que todo mundo tem os próprios vícios e aprende como superá-los", disse. "Acho que o maior foco para mim é aprender como continuar superando o trauma que meu pai causou na minha vida."

Lohan admitiu em 2007 que era viciada em álcool e drogas, e que esteve três vezes em clínicas de reabilitação. Ela foi obrigada a usar uma tornozeleira de monitoramento de consumo de álcool em maio deste ano e detida por faltar a várias aulas de educação sobre o alcoolismo, impostas como parte de sua condicional há três anos.

Na entrevista à Vanity Fair, a atriz negou rumores de que havia se viciado em remédios vendidos sob prescrição médica obrigatória.

"Nunca fui viciada em medicamentos de prescrição obrigatória. Nunca na minha vida. Não tenho esse desejo. Não sou eu", afirmou.

Em parte, ela culpou as más companhias pelo seu comportamento.   Continuação...

 
<p>Lindsay Lohan em tribunal de Beverly Hills ao receber a senten&ccedil;a de 90 dias na pris&atilde;o. Lohan admitiu em entrevista nesta ter&ccedil;a-feira que foi irrespons&aacute;vel, mas disse que sua habilidade de atuar ainda est&aacute; intacta. 20/06/2010 REUTERS/Al Seib/Arquivo</p>