ESTREIA-Zumbis espanhóis voltam a atacar em " - Possuídos"

quinta-feira, 2 de setembro de 2010 07:53 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - Quando estreou com muito sucesso na Espanha, "" (2007) não prometia muitas novidades. Basicamente, a produção apresentava um roteiro com claras referências aos zumbis do diretor norte-americano George A. Romero no formato "em tempo real", como se viu em "A Bruxa de Blair" e "Cloverfield - Monstro".

Apesar de a base ser reciclada, os espanhóis Jaume Balagueró e Paco Plaza, que assinam direção e roteiro, realizaram uma competente produção, evitando a indesejada sensação de déjà vu.

Ao contar a história de uma repórter e um grupo de policiais e bombeiros que entram em um edifício infectado, do qual não podem sair, "" foi considerado um dos melhores filmes de terror da última safra europeia.

Não demorou muito para ganhar uma versão americana, o morno "Quarentena" (de 2008), e investimentos para continuações. Agora, chega aos cinemas a segunda parte desta história, " - Possuídos", que já possui uma outra sequência em produção, "REC Apocalipse".

A história atual começa quando a repórter Angela Vidal (Manuela Velasco) é arrastada no escuro pela "niña" Medeiros --desfecho da primeira produção. A moça, possuída pelo demônio, foi vítima de experiências realizadas por um padre no sótão do edifício, que levou a contaminação ao lugar.

Uma vez em contato com o sangue de um doente, a pessoa passa a ter um comportamento agressivo, canibal e descontrolado. Um zumbi de Romero, por assim dizer. Para encontrar um antídoto, é preciso entrar no local, lacrado pelo governo, e encontrar o sangue da menina.

Um grupo de operações especiais da polícia é enviado sob o comando do doutor Owen (Jonathan Mellor), que não conta para os seus companheiros o que está realmente acontecendo.

Eles ainda terão a companhia de um trio de jovens azarados, um pai de família, que havia ficado do lado de fora no primeiro filme, e, claro, dezenas de zumbis.

Como o anterior, " - Possuídos" é reconstruído pelo constante estado de tensão em que joga o espectador. O fato de ser o olhar trêmulo de uma pessoa que não sabe o que acontece ao seu redor é eficiente para conduzir o suspense.   Continuação...