September 6, 2010 / 3:33 PM / in 7 years

Filme chinês sobre "campos de reeducação" é aplaudido em Veneza

3 Min, DE LEITURA

<p>Wang Bing, diretor do filme "A Fossa", no Festival de Veneza. O filme chin&ecirc;s sobre a itua&ccedil;&atilde;o de presos pol&iacute;ticos em campos de trabalhos for&ccedil;ados no final dos anos 1950 agradou aos cr&iacute;ticos na segunda-feira. 06/09/2010Alessandro Bianchi</p>

Por Silvia Aloisi

VENEZA (Reuters) - Um filme chinês contundente sobre a situação de presos políticos em campos de trabalhos forçados no final dos anos 1950 agradou aos críticos em Veneza na segunda-feira, alguns dos quais o apontaram como candidato forte ao prêmio máximo do festival.

"O Fosso" conta a história pouco conhecida de cerca de 3 mil pessoas condenadas à "reeducação" em campos de trabalhos forçados na extremidade do deserto de Gobi, no oeste da China, e lutando para sobreviver às condições climáticas extremas e à escassez de comida.

Tachadas pelo governo de inimigos de direita por terem feito críticas ao Partido Comunista, mesmo que suaves, ou simplesmente em função de suas origens, muitas delas morreram de fome, doenças ou exaustão nos fossos que lhes serviam de dormitórios.

O diretor Wang Bing passou três anos buscando sobreviventes e carcereiros dos campos de Jiabingou e Mingshui para fazer o filme, integrante inesperado da competição principal -- sua participação só foi revelada na segunda-feira.

"Há dez, talvez 20 anos, o cinema independente chinês vem focando sobretudo os problemas sociais das classes trabalhadoras mais pobres da China contemporânea", diz Bing nas notas de produção do filme.

"'O Fosso' talvez seja o primeiro filme a tratar diretamente do passado político da China contemporânea, que ainda é um tema tabu."

Aplaudido calorosamente na sessão para a imprensa, o filme dificilmente será lançado na China.

Mas Bing disse esperar que o filme seja uma oportunidade para chineses mais jovens, como ele -- que nasceu em 1967 -- aprenderem sobre o passado de seu país.

Rodado como um documentário, "O Fosso" foca os últimos três meses de vida em um campo anexo para onde foram levados em 1960 os 1.500 presos que haviam sobrevivido até então, num momento em que uma `tseca assolava a China inteira.

Forçados inicialmente a arar 4 mil hectares de terra árida no meio do nada, mais tarde eles são deixados à míngua em dormitórios subterrâneos, enquanto a comida vai acabando e muitos não conseguem mais se conservar em pé.

Quando as autoridades finalmente decidiram enviar os presos para casa, apenas 500 pessoas tinham sobrevivido à experiência.

"Tudo o que é mostrado no filme aconteceu realmente no campo. Nada foi inventado ou acrescentado", disse Bing, que usou muitos atores amadores neste seu primeiro longa-metragem. Antes, ele dirigiu vários documentários.

"O Fosso" é um dos 24 títulos que competem pelo prêmio máximo do festival de Veneza, o Leão de Ouro, que será entregue no sábado.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below