Festival de Veneza não tem um claro favorito ao Leão de Ouro

sexta-feira, 10 de setembro de 2010 12:42 BRT
 

Por Mike Collett-White e Silvia Aloisi

VENEZA (Reuters) - O Festival de Veneza 2010 está chegando ao fim sem o tititi produzido por um filme que se destaque dos demais e sem a presença de astros de primeira grandeza, tão necessária em eventos desse tipo.

A competição principal, composta de 24 filmes e caracterizada pelo grupo de diretores mais jovens na história do festival, é vista pela crítica especializada como sólida e diversificada, incluindo desde uma comédia francesa até minimalismo existencial polonês, passando por um drama de costumes chinês com muitos figurinos típicos.

Mas, diferentemente de 2009, quando o aflitivo filme de guerra "Líbano" foi um vencedor aclamado, ou de 2008, quando "O Lutador" marcou a inesperada volta por cima do outsider de Hollywood Mickey Rourke, faltou à competição deste ano um momento definidor que conseguisse a adesão consensual da plateia.

Sem nenhum favorito evidente para receber o prêmio principal, o Leão de Ouro, agora que todos os filmes já foram exibidos, o presidente do júri, Quentin Tarantino, tem a tarefa difícil de decidir quem ficará com o cobiçado prêmio Leão de Ouro de melhor filme, a ser entregue na cerimônia de encerramento, no sábado.

"A média dos filmes tem sido muito boa, mas não houve nada pelo qual o público pudesse se apaixonar", escreveu o Il Foglio em editorial recente, embora o jornal italiano tivesse mais tarde identificado "Venus Noire" como candidato digno a prêmios.

Acrescente-se a isso o fato de o complexo onde os filmes estão sendo exibidos estar parecendo uma obra em construção, o tempo chuvoso, o fechamento do histórico Hotel Des Bains e a concorrência acirrada do Festival de Toronto, que coincide parcialmente com o de Veneza, e tudo indica que a edição 2010 de Veneza pode não permanecer na memória por muito tempo.

FILMES CHINESES E RUSSOS ATRAEM PREFERÊNCIA

Entre os favoritos estão a produção chinesa "The Ditch", sobre a situação de presos políticos deportados para campos de trabalhos forçados na China dos anos 1950, e o filme russo "Silent Souls", um olhar contemplativo para uma cultura minoritária em processo de desaparecimento e um amor obsessivo.   Continuação...

 
<p>Atriz Shannyn Sossamon promove seu filme "Road to Nowhere" no Festival de Veneza. O Festival est&aacute; chegando ao fim sem um filme que se destaque dos demais e sem a presen&ccedil;a de astros de primeira grandeza. 10/09/2010 REUTERS/Tony Gentile</p>