Diretor admite que filme sobre Joaquin Phoenix é uma farsa

sexta-feira, 17 de setembro de 2010 09:26 BRT
 

LOS ANGELES (Reuters) - Joaquin Phoenix há dois anos deixou de ser um ator bem apessoado para virar um aspirante a rapper, cabeludo e drogado, mas aparentemente foi tudo em nome da arte.

Seu cunhado Casey Affleck, que fez um documentário sobre essa transição, admitiu na quinta-feira que foi tudo armado. "É um desempenho incrível, o (melhor) desempenho da carreira dele", disse Affleck ao jornal The New York Times.

Affleck disse que Phoenix colocou em risco sua vida profissional ao aparecer no documentário "I'm Still Here" ("Ainda estou aqui"), exibido neste mês no Festival de Veneza.

No evento, Phoenix jurou que o documentário era genuíno, apesar das indicações na tela de que se tratava de um "mockumentary" (falso documentário), zombando de um público bitolado.

O burburinho todo começou em fevereiro de 2009, quando Phoenix foi ao programa do entrevistador David Letterman, barbudo e com a fala enrolada.

No filme, Phoenix às vezes aparece engraçado e coerente; em outros momentos, é infantil, agressivo ou paranoico, lutando para conviver com a decisão que ele anunciou em 2008 - e que foi recebida na época com estupefação pela imprensa.

O filme inclui cenas em que ele aparentemente usa drogas, recebe prostitutas, mergulha para fora do palco para atacar um inoportuno e vomita. Quem aparece também é o empresário de shows de rap Sean Combs, que finalmente aceita ouvir uma demonstração do hip-hop de Phoenix.

Affleck agora admitiu ao Times que praticamente nada disso é real. Nem a sequência de abertura, supostamente de Phoenix e seus irmãos nadando no Panamá. Affleck disse que na verdade a cena foi gravada no Haiti, com atores. "Nunca pretendi enganar ninguém", disse Affleck.

Ele admitiu que Letterman não foi cúmplice da brincadeira. Phoenix, que é irmão da mulher de Affleck, deve voltar na semana que vem ao programa de Letterman -- e Affleck disse que desta vez ele não estará incorporando o personagem.