Stevie Wonder pede que ONU leve luz aos cegos

segunda-feira, 20 de setembro de 2010 16:38 BRT
 

Por Robert Evans

GENEBRA (Reuters Life!) - O cantor de pop e soul Stevie Wonder pediu a diplomatas de quase 200 países na segunda-feira que parem de discutir sobre direitos autorais e acordem um pacto para levar "esperança e luz" a pessoas cegas em todo o mundo.

O músico norte-americano, cego quase desde a nascença, avisou aos negociadores da OMPI, a agência das Nações Unidas que trata da propriedade intelectual e dos direitos autorais, que, se não atenderem a seu apelo, vai compor uma canção triste sobre eles.

"Precisamos declarar estado de emergência e pôr fim à privação de informações que continua a manter os deficientes visuais na escuridão", disse Wonder, cuja música já lhe valeu dezenas de prêmios em seus 50 anos de carreira.

Stevie Wonder disse aos delegados na abertura da assembleia mundial da OMPI que deveriam acordar um plano de ação que dê poder aos cegos e quase cegos, passando ao largo dos direitos de copyright e permitindo o acesso deles a livros e conhecimento.

Concluindo seu apelo, ele cantou versos famosos de muitas de suas canções, incluindo "I Just Called to Say I Love You" e "Keep Our Love Alive".

O chamado dele foi endossado pela União Mundial de Cegos, segundo a qual, nos países em desenvolvimento, menos de 1 por cento das obras publicadas são disponíveis em formatos como Braille ou áudio. Mesmo nos países ricos, o total não chega a 5 por cento.

Os países membros da OMPI vêm há anos estudando um pacto que possa superar as normas de direitos autorais internacionais, permitindo o financiamento de traduções de livros para o Braille, mas vêm topando com divergências entre países.

Alguns são a favor de direitos totalmente gratuitos de tradução em formatos acessíveis aos cegos, enquanto outros insistem que não se podem deixar brechas que permitam a pirataria de textos, música e tecnologia.   Continuação...

 
<p>Cantor de pop e soul Stevie Wonder pediu a diplomatas da ONU que parem de discutir sobre direitos autorais e acertem um pacto para levar "esperan&ccedil;a e luz" a pessoas cegas. REUTERS/Denis Balibouse</p>