Filme de Nigel Cole relembra protesto de mulheres por igualdade

segunda-feira, 27 de setembro de 2010 12:14 BRT
 

Por Douglas MacLaurin

LONDRES (Reuters Life!) - Um filme que relembra como um grupo de operárias desafiou a montadora Ford, em 1968, ao exigir paridade salarial com homens, estreia na Grã-Bretanha nesta semana e já chega com resenhas favoráveis.

"Made in Dagenham" (Feito em Dagenham, em tradução literal) é dirigido por Nigel Cole, que obteve sucesso com "As Garotas do Calendário" -- uma outra abordagem sobre mulheres reivindicando seus direitos.

Sally Hawkins é a protagonista, no papel de Rita, uma pacata maquinista que desafia a política da empresa de pagar às mulheres menos do que aos homens. Ela começa a atrair a atenção da mídia do país e de líderes políticos.

A greve interrompeu a produção da fábrica da Ford em Dagenham e, por fim, as mulheres acabaram conseguindo ter aumentos salariais. Segundo especialistas, foi uma ação decisiva para que o Parlamento britânico aprovasse o Projeto de Paridade Salarial, de 1970.

Para Hawkins, a história é um tributo à coragem das mulheres dispostas a correr o risco de despertar a ira de seus empregadores e colegas para obter a igualdade entre os sexos no ambiente de trabalho.

"Eu acho que será sempre uma luta que precisa ser travada, infelizmente", disse ela à Reuters, durante a recente pré-estreia.

"Mas acho que chegamos tão longe. Quando se revê a história recente, uma história que se pode quase tocar, e da qual pessoas da nossa convivência ainda se lembram", disse. "Quando a gente se recorda das coisas que elas eram obrigadas a aguentar...a gente pensa, bem, onde estaríamos sem elas."

Assim como Hawkins, a coadjuvante Rosamund Pike diz que a verdadeira igualdade ainda não foi conquistada.   Continuação...