ENTREVISTA-Jesse Eisenberg, o CEO do Facebook no cinema

sexta-feira, 1 de outubro de 2010 12:44 BRT
 

Por Zorianna Kit

LOS ANGELES (Reuters Life!) - Trabalho é algo que nunca faltou para Jesse Eisenberg, que ao longo dos anos já atuou em filmes de estúdio como "Férias Frustradas de Verão" e "Zumbilândia" e outros independentes como "A Lula e a Baleia".

Agora o ator de 26 anos será visto em seu papel de maior destaque até o momento, representando o executivo-chefe do Facebook, Mark Zuckerberg, em "A Rede Social", que chega aos cinemas norte-americano na sexta-feira.

Dirigido por David Fincher, o filme é baseado no livro de Ben Mezrich "The Accidental Billionaires: The Founding of Facebook, A Tale of Sex, Money, Genius, and Betrayal" (Os bilionários acidentais: a fundação do Facebook, uma história de sexo, dinheiro, genialidade e traição). O filme não apenas relata como foi criado o site transformador, como também os processos judiciais que decorreram desse processo.

Eisenberg conversou com a Reuters sobre como foi representar Zuckerberg e porque ele próprio não é usuário do Facebook.

Pergunta: O filme é relatado desde três pontos de vista diferentes: o de Zuckerberg, de seu ex-melhor amigo Eduardo Saverin e o dos irmãos gêmeos idênticos Tyler e Cameron Winklevoss. No final, com qual ponto de vista você concorda?

Resposta: Meu trabalho como ator foi defender meu personagem, Mark Zuckerberg, todos os dias durante seis meses, 14 horas por dia, enquanto estávamos filmando. Logo, para mim, pessoalmente, nunca houve nenhuma dúvida de que meu personagem era um sujeito responsável, que tinha razão e que era um bom amigo, porque foi esse meu trabalho. Se você para de pensar assim, torna-se impossível representar o papel que lhe foi confiado.

P: Você conheceu Mark Zuckerberg pessoalmente?

R: Não, nunca. Mas passei seis meses ouvindo-o todas as manhãs no meu iPod.   Continuação...

 
<p>Jesse Eisenberg na estreia de "The Social Network" em Nova York. 24/09/2010 REUTERS/Eric Thayer/Arquivo</p>