Para Vargas Llosa, Venezuela e Cuba representam retrocesso

quinta-feira, 7 de outubro de 2010 21:01 BRT
 

LIMA (Reuters) - O escritor peruano Mario Vargas Llosa, que ganhou o Prêmio Nobel de Literatura de 2010, disse na quinta-feira que a América Latina mostra avanços em suas democracias, com exceção de Cuba e Venezuela, que, de acordo com ele, representam um retrocesso na região.

Vargas Llosa receberá em dezembro o cobiçado prêmio, o primeiro desse tipo para um latino-americano nas últimas duas décadas.

"Sou um escritor, também sou um cidadão... tenho ideias, valores, mas também tenho ideias políticas e cívicas", declarou o escritor em entrevista à imprensa em Nova York, que foi retransmitida por canais de televisão em Lima.

O escritor afirmou que a América Latina vive um processo de fortalecimento de sua democracia, com governos de direita e de esquerda legalmente eleitos, que respeitam a liberdade e promovem políticas liberais no campo econômico.

Vargas Llosa elogiou "os governos de esquerda" no Brasil, Uruguai e Chile na época da então presidente socialista Michelle Bachelet; como também os de "direita democrática" de Colômbia, Peru e Chile do milionário Sebastián Piñera.

"Eu tenho sido um crítico de qualquer tipo de ditadura, de esquerda, de direita... tenho criticado e continuo criticando a ditadura cubana, da mesma forma como critiquei a ditadura chilena no tempo de (Augusto) Pinochet... eu defendo a democracia, defendo as reformas liberais", declarou.

O escritor alfinetou nesse sentido o governo comunista de Cuba, com quase 50 anos no poder, e o de Hugo Chávez na Venezuela, líder latino-americano com mais de uma década como presidente que tem influenciado no fortalecimento da esquerda em alguns países da região.

"Minha impressão é que essa corrente, que é uma corrente autoritária, antidemocrática, é uma corrente que está de saída, que cada vez tem menos apoio popular, como acabamos de ver nas eleições venezuelanas, que me deixaram bastante feliz", acrescentou o escritor.

Nas recentes eleições legislativas na Venezuela, ao final de setembro, a oposição voltou à cena política depois de muitos anos ao ganhar pelo menos um terço das cadeiras no Congresso, o que permitirá colocar um freio no avanço da "revolução socialista" de Chávez antes das eleições presidenciais de 2012.

Em entrevista à CNN, Vargas Llosa exortou Chávez e Raúl Castro -- que ficou no lugar de seu irmão Fidel -- a deixarem o poder porque, segundo o escritor, eles são um "enorme estorvo para o desenvolvimento de seus países".

(Reportagem de Marco Aquino)