Pai de Michael Jackson perde recurso contra espólio

quarta-feira, 27 de outubro de 2010 10:19 BRST
 

LOS ANGELES (Reuters) - A Justiça dos EUA emitiu na terça-feira duas decisões importantes relacionadas à morte de Michael Jackson: rejeitou um recurso do pai do cantor contra o espólio dele, e confirmou a audiência preliminar de janeiro que pode transformar o médico pessoal de Jackson em réu por homicídio culposo.

O médico Conrad Murray é acusado de ter causado a morte de Jackson, em junho de 2009, ao administrar uma dose letal do anestésico propofol e de outros medicamentos.

Na audiência de 4 de janeiro o juiz do caso avaliará se há provas suficientes para levar o médico a julgamento. Ele admite ter administrado os medicamentos a Jackson, mas rejeita a acusação de homicídio culposo.

Paralelamente, a Segunda Corte Distrital de Recursos concluiu por unanimidade que o pai do cantor, Joe Jackson, não tem o direito de contestar o status dos dois inventariantes do milionário espólio, o advogado John Branca e o executivo musical John McClain.

Joe Jackson, de 81 anos, queria ter participação no faturamento gerado pela obra e imagem do filho - apontado nesta semana pela revista Forbes como a personalidade morta mais lucrativa nos últimos 12 meses. O espólio teria arrecadado 275 milhões de dólares em um ano com a venda de arquivos fonográficos, licenciamentos e contratos artísticos.

Em seu testamento, Michael Jackson beneficiou seus três filhos, sua mãe e várias entidades beneficentes.