ESTREIA-Novo Harry Potter prepara trama para o "gran finale"

quinta-feira, 18 de novembro de 2010 12:28 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - O que é pior: enfrentar o Lord Voldemort ou a ebulição dos hormônios da adolescência? Para Harry Potter e sua turma, ambas as tarefas se mostram árduas.

No sétimo, e penúltimo filme da série -- "Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 1", o bruxo (novamente interpretado por Daniel Radcliffe) completa 17 anos e está a um passo de entrar para o mundo adulto. Mas, antes disso, ao lado de seus melhores amigos, Ron (Ruppert Grint) e Hermione (Emma Watson), precisa superar crises internas e externas.

A descoberta do amor -- não da sexualidade, pois, no filme, os personagens são assexuados, já que essa é uma franquia também voltada para o público infantil -- é complicada e envolve todos os problemas que os não-bruxos -- também conhecidos como trouxas -- enfrentam, como a insegurança, o ciúmes e a rivalidade.

Ao longo dos quase 10 anos que se passaram desde o primeiro filme, "Harry Potter e a Pedra Filosofal", vimos os atores se transformarem de crianças em adultos, assim como seus personagens criados pela escritora britânica J. K. Rowling.

Em "Harry Potter 7.1", o roteirista Steve Kloves, adaptando a série pela sexta vez, centra o foco na ação. O filme é correria do começo ao fim, sem muito espaço para explicações ou desenvolvimentos. A espinha dorsal é, como em toda a série, o jovem bruxo fugindo do lorde das trevas Voldemort (Ralph Fiennes).

O mundo mágico está um caos, porque Voldemort está matando indiscriminadamente -- ele também assassina trouxas. Harry é a causa disso e, como se antecipou desde o começo, o embate entre os dois personagens deve ser o clímax da série, prevista para acabar em meados de 2011, com "Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2".

Harry é perseguido e, com a ajuda do polissuco, consegue fugir e se esconder na casa de Ron. Porém, durante um casamento, ele é encontrado e os Comensais da Morte têm a ordem de levá-lo vivo. A única chance de escapar ileso é destruindo as Horcruxes, que parecem ser o segredo do poder de Voldemort.

A única explicação para a divisão do livro em dois filmes está na possibilidade da Warner -- estúdio produtor e distribuidor das adaptações -- faturar em dobro. Em filmes anteriores, acontecimentos e personagens foram sacrificados para que a trama do livro coubesse num filme de cerca de duas horas. Aqui, não se justifica alongar cenas e acontecimentos para gerar dois longas. Apenas para gerar bilheteria em dobro.

Harry, Hermione e Ron fogem e se escondem em florestas na maior parte do tempo. As cenas são desnecessariamente longas, sem que muito aconteça. Eles conversam, leem e discutem o presente e o futuro. E David Yates -- que dirige a série pela terceira vez -- não se esforça muito para tornar o falatório mais atraente em termos visuais. Exceto por uma cena em animação, o longa segue o padrão dos filmes anteriores com alto orçamento, baixa criatividade e muita explicação.   Continuação...

 
<p>Os atores Emma Watson (centro), Daniel Radcliffe (esq) e Rupert Grint na estreia mundial de "Harry Potter e as Rel&iacute;quias da Morte: Parte 1" em Londres. 11/11/2010 REUTERS/Stefan Wermuth/Arquivo</p>