Casas de leilões prevêem recuperação do mercado de arte russa

sexta-feira, 26 de novembro de 2010 13:14 BRST
 

Por Mike Collett-White

LONDRES (Reuters Life!) - Russos ricos vão retornar a Londres na próxima semana para uma série de leilões de arte que as casas de leilões esperam que irão comprovar que o mercado está voltando a crescer.

Estimativas sugerem que as expectativas são de ganhos sólidos em relação ao ano passado, embora os ganhos devam ser bem menos espetaculares que os preços astronômicos que vêm sendo pagos por compradores chineses por obras de arte chinesa em leilões recentes, de Londres a Hong Kong.

Jo Vickery, chefe do departamento de arte russa da Sotheby's de Londres, disse à Reuters: "Há menos arte sendo oferecida no momento do que havia dois anos atrás, mas acho que essa situação está mudando. Muito mais gente está vindo para oferecer obras para o próximo ano."

"A estabilidade trouxe as pessoas de volta, e os preços estão se segurando bem."

A Sotheby's espera levantar mais de 12 milhões de libras (19 milhões de dólares), menos que o total correspondente do ano passado, de 19,4 milhões de dólares. Mas o total do ano passado incluiu um leilão de trabalhos de um único dono que rendeu mais de 7 milhões de libras.

A empresa acabou de promover um leilão de arte russa em Nova York que rendeu 14,4 milhões de dólares, o que significa que, ao todo, ela prevê um crescimento leve.

"O clima no mercado é de otimismo crescente", disse Vickery.

A casa de leilões MacDougall's, especializada em arte russa, espera vender obras no valor de mais de 17 milhões de libras, quase o dobro do que vendeu no inverno de 2009, 9,4 milhões.

A MacDougall's tem as obras mais valorizadas da semana em Londres, com a tela "Vista da Ilha de Valaam, Kukko", de Ivan Shishkin, avaliada em entre 900 mil e 1,2 milhão de libras.

"Montamos uma coleção muito boa, com artistas que incluem Shishkin, Aivazovsky, Repin e Goncharova, chegando ao século 20", disse a diretora Catherine MacDougall.