ESTREIA-Documentário "Oceanos" revela aspectos inusitados

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010 07:50 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - Resultado de quatro anos de trabalho e de um uso exímio de novíssimas câmeras de alta definição, o documentário "Oceanos", da dupla francesa de diretores Jacques Perrin e Jacques Cluzaud, revela-se uma viagem fascinante à complexidade da vida marinha do planeta, mostrando aspectos inusitados mesmo de espécies muito conhecidas, como golfinhos, baleias e pinguins. O filme estreia nacionalmente, em cópias convencionais e 3D.

Realizadores do fascinante "Migração Alada" (2001), os diretores fazem pelos espécimes marinhos o mesmo que aquele trabalho fizera pelos pássaros. Ou seja, conseguem que os espectadores compartilhem o cotidiano dos animais, vivenciando os desafios e a beleza de sua existência.

Assim, é possível sentir-se ao lado dos golfinhos enquanto pulam sem parar da água, em trajetos longos pelo mar, em que disputam cardumes imensos com gaivotas e outras aves marinhas - aliás, o mergulho vertiginoso destes pássaros é um dos pontos altos do filme.

Há sempre uma câmera postada, tanto dentro, quanto fora da água, permitindo visualizar a façanha dos pássaros para conseguir sua comida. O que dá a medida da logística requerida para a realização do documentário, que explora as profundezas do mar com uma riqueza talvez nunca vista antes.

Há inúmeros espécimes exóticos de criaturas marinhas, caso do polvo Blanket Octopus - que abre uma membrana que parece um cobertor para defender-se de inimigos -, a lesma-do-mar Spanish Dancer e inúmeras águas-vivas luminosas.

No caso de espécies conhecidas, como as baleias, o encanto do filme está em sua proximidade destes gigantescos animais, permitindo avaliar a extensão de seu esforço para cruzar os mares em busca de alimento e a complexidade da relação entre mãe e filho.

Da mesma forma, é assustador presenciar o 'encontro' entre um solitário mergulhador e um enorme tubarão, que termina sem incidentes, apesar de o tubarão dar uma dentada na prancheta do pesquisador.

Sem pretender idealizar demais a visão da vida selvagem, "Oceanos" mostra-se realista ao documentar também o esforço cotidiano da sobrevivência e a necessidade de algumas espécies devorarem as outras - caso dos pássaros que caçam as tartaruguinhas recém-nascidas de uma praia, das quais às vezes apenas uma consegue atingir o mar e chegar à vida adulta. Da mesma forma, são impressionantes os ataques das orcas aos leões marinhos estacionados numa enseada.

Um recado ecológico também é dado em expressivas visões da poluição marinha, da caça e pesca no mar (boa parte, material encenado, mas, mesmo assim, eloquente) e, especialmente, numa visita feita pelo diretor Perrin e seu neto a um museu de história natural que reúne esqueletos de espécies extintas.   Continuação...

 
<p>Produtor e diretor franc&ecirc;s Jacques Perrin durante entrevista para o filme "Oceanos" em Paris. 05/12/2010 REUTERS/Gonzalo Fuentes</p>