ESTREIA-Comédia finlandesa enfoca contradições de casal em crise

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010 12:09 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - País que teria o mais alto índice de divórcios da Europa, a Finlândia é o cenário da comédia "O Ciúme Mora ao Lado", em que o diretor Mika Kaurismaki volta às origens.

Dividindo-se entre o Brasil, onde filmou documentários musicais como "Moro no Brasil", e a Finlândia natal, o diretor explora as contradições de um casal que decide continuar morando junto enquanto não vende a casa em que mora, apesar de tecnicamente estar separado. E daí surgem todas as intrigas e muito mais, com direito a uma trama policial envolvendo gângsters.

O filme estreia apenas em São Paulo.

O casal em questão é formado por Tuula (Elina Knihtilä) e Juhani (Hannu-Pekka Björkman). Ele, um terapeuta familiar, ela, uma professora. O amor acabou, a paixão, totalmente. O respeito também está indo água abaixo.

Eles dividem um amplo sobrado, ele morando no andar de baixo, ela no de cima. Chegam a elaborar uma lista de regras de convivência, mas, na primeira oportunidade Juhani quebra uma, essencial: não trazer para casa outros parceiros. Na noite em que ele traz uma companhia do bar onde se embebedou, Tuula arma um escândalo e a guerra está declarada.

A partir daí, os dois se empenham em mostrar, raivosamente, um ao outro, o quanto estão tendo sucesso amoroso. Tuula lembra-se de um antigo caso, Marco (Ilkka Villi) e rapidamente o convoca para uma visita. Juhani vai além -- procura o meio-irmão, Wolffi (Antti Reini), um cafetão, e contrata uma bela prostituta, Nina (Anna Easteden), para vir morar com ele, passando-se por sua noiva.

Desconfiando que o imbróglio amoroso não dará conta do filme -- no que tem bastante razão -- o diretor, escudado por seu corroteirista Sami Keski-Vahala, empenha-se em esticar uma subtrama criminal, que tem a ver com a morte de uma prostituta, o sumiço de um dinheiro e uma gangue que quer reavê-lo. No meio disso, há também a história de uma mãe perdida, um sequestro e muito mais.

O acúmulo de detalhes e situações não funciona a contento. Nem bem "O Ciúme Mora ao Lado" mostra-se satisfatório como comédia de costumes, nem muito menos como intriga policial e familiar. Falta simpatia aos personagens capaz de gerar alguma solidariedade por eles. E o filme se prolonga indefinidamente. É duro aguardar o (confuso) fim.

O rosto relativamente mais conhecido do elenco é o de Kati Outinen, atriz de "O Homem sem Passado" (2002), de Aki Kaurismaki, o irmão mais velho, mais talentoso e mais premiado de Mika.

(Por Neusa Barbosa, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb