Irã condena cineasta Panahi a seis anos de prisão, diz advogado

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010 17:51 BRST
 

TEERÃ (Reuters) - Um tribunal iraniano sentenciou o aclamado diretor de cinema Jafar Panahi a seis anos de prisão e o proibiu de fazer filmes ou viajar ao exterior por 20 anos, disse sua advogada na segunda-feira, segundo a agência de notícias Isna.

Ganhador de muitos prêmios internacionais e partidário do líder oposicionista Mirhossein Mousavi na contestada eleição presidencial do ano passado, Panahi foi preso no início de março.

Ele foi mantido em detenção por 88 dias, durante os quais iniciou uma greve de fome.

"Panahi foi sentenciado a seis anos de prisão por agir e fazer propaganda contra o sistema," disse a advogada do cineasta, Farideh Gheyrat, segundo a agência de notícias Isna.

"Além disso, foi proibido de fazer filmes, escrever qualquer tipo de roteiro, viajar ao exterior e falar com a mídia local ou estrangeira por 20 anos", acrescentou a advogada, segundo a Isna.

Gheyrat disse que o "veredicto pesado" lhe foi entregue no sábado e que ela tem 20 dias para recorrer contra a sentença.

De acordo com um comunicado divulgado na Itália em novembro, Panahi foi a julgamento, acusado de fazer um filme sem permissão e incitar protestos da oposição após a eleição de 2009, que levou a meses de turbulência política.

Na declaração que fez ao tribunal, transmitido à Reuters pelos organizadores do "Giornate degli Autori - Venice Days," um evento secundário do festival de cinema de Veneza, Panahi disse ser vítima de injustiça e descreveu como "piada" uma das acusações que lhe foram feitas.

Ele disse que tinha começado a fazer seu filme mais recente quando sua casa foi invadida pela polícia. Sua coleção de filmes foi tachada de "obscena" e confiscada.   Continuação...