Kevin Smith enfrenta protestos contra novo filme independente

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011 13:22 BRST
 

Por Bob Tourtellotte

PARK CITY, Utah (Reuters) - O diretor de cinema Kevin Smith anunciou um plano de autolançar seu novo filme, "Red State", no Festival Sundance, depois de enfrentar manifestantes que lhe garantiram publicidade que dinheiro algum poderia dar.

Evocando o nome do produtor Harvey Weinstein, Smith disse que, depois de 17 anos fazendo filmes, não pode imaginar algo pior do que criar um filme e entregá-lo a um estúdio para que este faça o marketing.

Para ele, depois de o estúdio gastar dezenas de milhões de dólares na divulgação, não sobrarão lucros para ele e seus investidores.

Por isso ele resolveu voltar para o tempo em que os próprios cineastas levavam seus filmes aos cinemas, um cinema de cada vez. Eles guardavam uma parte maior do lucro e o reinvestiam em mais filmes.

"O cinema independente não morreu, apenas ficou adulto", disse ele ao público de Sundance, após a estreia de "Red State". "Agora é a fase Indie 2.0."

Smith começou sua carreira em Sundance com o longa-metragem em preto-e-branco "O Balconista", feito com apenas 27.575 dólares. O filme foi comprado por Weinstein, que na época dirigia a Miramax Filmes e era considerado mestre na distribuição de filmes de orçamento reduzido.

De lá para cá, porém, as coisas mudaram. Hoje, astros famosos e caros muitas vezes atuam em filmes ditos independentes, e os custos de produção e marketing chegam aos milhões de dólares, fato que tira a independência dos cineastas.

"Red State" é a história violenta de uma seita religiosa cheia de ódio e dos agentes federais que recebem a ordem de combatê-la. Kevin Smith acha que o filme será sucesso certeiro junto a seus fãs.   Continuação...

 
<p>Diretor de "Red State", Kevin Smith, se une a um grupo de contra-protesto, enquanto membros da igreja batista se manifestam contra a exibi&ccedil;&atilde;o de seu filme no Festival de Sundance. 23/01/2011 REUTERS/Jim Urquhart</p>