Charlie Sheen espera voltar ao trabalho até fim de fevereiro

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011 18:16 BRST
 

LOS ANGELES (Reuters) - O ator Charlie Sheen espera ter completado sua reabilitação e estar de volta às filmagens de sua comédia líder de audiência "Two and a Half Men" até o fim de fevereiro, disse seu representante na quinta-feira.

A produção do seriado de TV, transmitido nos EUA pela CBS, foi suspensa depois de Sheen, de 45 anos, entrar em um programa de reabilitação no fim de semana, depois de ser hospitalizado após uma festa em sua casa que teria durado 36 horas na semana passada.

Não estava claro quanto tempo Sheen, que tem um longo histórico de problemas com álcool e drogas, passaria em reabilitação.

Mas seu porta-voz Stan Rosenfield disse na quinta-feira que o final de fevereiro é "a data que está sendo prevista e que esperamos que se concretize" para o retorno do ator ao set de "Two and a Half Men."

A CBS e a Warner Bros Television, que produz a comédia de maior audiência na televisão americana, se negaram a dar declarações. Oito de 24 episódios programados ainda faltam ser filmados para a temporada de TV que termina em maio.

Na semana passada, a CBS encomendou episódios adicionais de suas comédias "Mike and Molly" e "Rules of Engagement" para preencher o vazio, caso Sheen não possa retornar, informou o The Hollywood Reporter.

Na quarta-feira, Sheen agradeceu o apoio recebido de executivos da rede, fãs e pessoas que trabalham no programa. "Tenho muito trabalho a fazer para poder retribuir o apoio que venho recebendo de tanta gente", disse o ator em comunicado.

Em lugar de se internar em uma clínica de reabilitação, Sheen está recebendo atendimento em sua casa.

Sheen é o ator mais bem pago da televisão americana. Nos últimos 12 meses ele já passou dois outros períodos em clínicas de reabilitação, provocando uma suspensão temporária da produção de "Two and a Half Men" em fevereiro de 2010.

(Reportagem de Jill Serjeant)

 
<p>O ator Charlie Sheen acena &agrave; imprensa ao deixar um tribunal em Aspen, no Colorado, em agosto do ano passado. 02/08/2010 REUTERS/Rick Wilking</p>