Exposição em NY faz homenagem ao Apollo Theater

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011 11:56 BRST
 

NOVA YORK (Reuters) - De Michael Jackson a James Brown, o Apollo Theater, no Harlem, em Nova York, é conhecido por ter ajudado a lançar algumas das personalidades mais bem-sucedidas do entretenimento nos Estados Unidos e por marcar sua influência na cultura popular.

Uma nova exposição, chamada "Ain't Nothing Like the Real Thing", exibe imagens, vídeos e objetos -- incluindo instrumentos, sapatos e roupas dos grandes astros da música, como Ella Fitzgerald, Ray Charles, Louis Armstrong, Miles Davis e Sammy Davis Jr., que se apresentaram no teatro ao longo dos últimos 75 anos.

Da Motown ao hip hop, a exposição detalha a história do teatro de 1.500 lugares que deu força a estilos musicais e a artistas que subiram no seu palco, indo de Nat King Cole, nos anos 1940, ao famoso programa de calouros Apollo Amateur Night, que impulsionou as carreiras de Ella Fitzgerald, Billie Holiday, Jimi Hendrix e The Jackson 5.

"A primeira vez que me apresentei no Apollo foi durante a Amateur Night - durante um show de gospel do meu grupo. E nós vencemos. A vez seguinte foi no comecinho da minha carreira em 1962", disse Dionne Warwick à Reuters Television.

"O Apollo Theater é o crème de la crème. E, como se diz -- e isso é tão verdadeiro --, se você não dá certo no Apollo, você não dá certo em nenhum lugar", acrescentou Warwick.

A exposição, de 8 de fevereiro a 1 de maio no Museu da Cidade de Nova York, também explora a história do Harlem como um centro da cultura negra norte-americana e o papel do teatro ao abrigar o funeral de James Brown e um tributo público a Michael Jackson.

Michael Jackson se apresentou na Amateur Night aos 9 anos ao lado dos irmãos. O grupo deles, os Jackson 5, venceu o concurso em 1969, quando o cantor tinha 11 anos, apresentando "Who's Lovin' You", de Smokey Robinson.

"Quando penso na trilha sonora da segunda metade do século 20, ela é a música lançada pelo Apollo", disse em um comunicado a diretora do Museu da Cidade de Nova York, Susan Henshaw Jones.

(Reportagem de Christine Kearney)