24 de Fevereiro de 2011 / às 18:08 / 7 anos atrás

"O Discurso do Rei" e "A Rede Social" lideram apostas no Oscar

Por Stephen Galloway

<p>Trabalhadores da American Turf &amp; Carpet instalam o tapete vermelho durante os preparativos para o 83o Academy Awards, em Hollywood, em 23 de fevereiro de 2011. REUTERS/Danny Moloshok</p>

LOS ANGELES (Hollywood Reporter) - Quem levará estatuetas de Oscar para casa no domingo? Baseando-se em informações dos bastidores, o The Hollywood Reporter apontou os prováveis vencedores nas categorias principais.

MELHOR FILME - “O Discurso do Rei”

Três fatores favorecem o filme da Weinstein Co. em detrimento de seu único concorrente sério, “A Rede Social”.

Precedente: “Discurso do Rei” foi premiado pelos sindicatos de produtores, diretores e atores. É verdade que perdeu para “A Rede Social” nos Globos de Ouro, mas o Globo de Ouro já deixou de ser um indicador confiável dos filmes que serão vencedores no Oscar.

Idade dos eleitores: A média de idade dos membros da Academia é 57 anos, o que significa que é muito mais provável que se identifiquem com os heróis de meia-idade de “Discurso do Rei” do que com o elenco jovem de “A Rede Social”.

O sistema de votação: Na disputa pelo Oscar de melhor filme, os eleitores catalogam os dez filmes indicados na ordem de preferência deles; se nenhum filme recebe mais de 50 por cento dos votos para primeiro lugar, os trabalhos que receberam menos votos são eliminados, e seus votos são transferidos. Assim, é importante ficar em segundo e terceiro lugar em muitas cédulas, e não apenas ser o número 1. Ser apreciado por muitos conta mais do que ser profundamente admirado. E muitos eleitores gostam realmente de “Discurso do Rei.”

ATOR - Colin Firth, “O Discurso do Rei”

Um ano depois de perder para Jeff Bridges (Firth era candidato por “Direito de Amar”, e Bridges por “Coração Louco”), os dois voltam a enfrentar-se. Desta vez Firth é uma aposta certeira. Ele conquistou todos os prêmios principais até agora, e é pouco provável que perca quando o envelope do Oscar for aberto. Entre os outros indicados, Javier Bardem está sombrio demais em “Biutiful”; Jesse Eisenberg, jovem demais em “A Rede Social”, e as ações de James Franco em “127 Horas” são simplesmente horripilantes demais.

ATRIZ - Natalie Portman, “Cisne Negro”

Muitas pessoas bem informadas acham que Annette Bening vai vencer por “Minhas Mães e Meu Pai”, graças ao apoio dos eleitores mais velhos da Academia. Ela será beneficiada pelo fato de participar do conselho da Academia, pelo respeito suscitado pelo conjunto de seu trabalho e a solidariedade que suscita por ter perdido três vezes antes. Mas outras veteranas já perderam para rostos mais novos: quem não se lembra da vitória de Marion Cotillard sobre Julie Christie em 2008 e de Juliette Binoche sobre Lauren Bacall em 1997? A disputa é apertada, mas Portman tem o papel que mais chama a atenção, e o fato de que ganhou o prêmio do sindicato dos atores (SAG) lhe garantirá o Oscar.

DIRETOR - David Fincher, “A Rede Social”

Ele perdeu no sindicato de diretores (DGA), mas é nossa aposta no Oscar. Por que? O DGA tem um contingente enorme de diretores de televisão; eles respeitaram a habilidade demonstrada por Tom Hooper em “Discurso do Rei”, mas a maestria visual de Fincher é mais importante para a Academia. Um mau sinal para Hooper: mesmo o Bafta optou por Fincher, em detrimento de seu rival britânico.

ATOR COADJUVANTE - Christian Bale, “O Vencedor”

Faça um papel que o deixa feio, um papel de época e no qual você fala com sotaque. Bale faz as três coisas em “O Vencedor”. Some-se a isso o fato de que ele já levou para casa quase todos os outros prêmios, com a exceção do Bafta, e ele se torna uma aposta certeira. Geoffrey Rush, de “Discurso”, venceu em 1997 por um papel principal mais memorável em “Shine”, mas isso o prejudicará, já que a Academia raramente presenteia atores com um segundo Oscar.

ATRIZ COADJUVANTE - Melissa Leo, “O Vencedor”

Os bizarros anúncios autofinanciados de Leo que a mostravam trajando casaco de peles ao lado de uma piscina acabaram por prejudicá-la? Talvez, mas também foram comoventes. Ela talvez divida votos com sua colega de “O Vencedor” Amy Adams, e uma vitória abrangente de “Discurso do Rei” pode beneficiar Helena Bonham Carter, mas Leo ainda é a favorita nesta categoria.

ROTEIRO ADAPTADO - Aaron Sorkin, “A Rede Social”

Quem mais tem alguma chance? Quando Sorkin ganhou o prêmio do sindicato dos roteiristas, ficou claro que não havia lugar para mais ninguém. As objeções segundo as quais todos seus personagens no filme soam iguais encolhem e desaparecem quando comparadas ao fato de que ele converteu uma história de negócios envolvendo um nerd em um psicodrama tremendamente interessante.

ROTEIRO ORIGINAL - David Seidler, “O Discurso do Rei”

“A Origem” levou o prêmio do sindicato dos roteiristas (WGA), mas Seidler não podia candidatar-se a esse prêmio. Há quem pense que Christopher Nolan levará o prêmio de consolação, depois de não ganhar uma indicação como diretor, mas essa aposta é equivocada: “Discurso do Rei” é virtualmente uma certeza nessa categoria, auxiliado pelos eleitores mais velhos que se identificam com a idade de Seidler, 73, e sua ótima história pessoal passada: como seu herói, o roteirista era gago na juventude.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below