Mundo da moda mostra apoio em desfile da Christian Dior

sexta-feira, 4 de março de 2011 17:38 BRT
 

Por Astrid Wendlandt

PARIS (Reuters) - A elite da moda foi em peso na sexta-feira ao desfile da Christian Dior, em Paris, numa demonstração de apoio à "maison" que três dias antes demitiu o estilista John Galliano por causa de comentários antissemitas.

A influente editora Anna Wintour (da Vogue norte-americana), compradores de lojas de departamentos, top models, celebridades, aristocratas ricos e os filhos do homem que fundou o grupo de luxo LVMH, dono da grife Dior, aplaudiram de pé a equipe responsável pela coleção - mas sem Galliano.

O executivo-chefe Sidney Toledano falou sobre a polêmica que envolveu a marca nos últimos dias. "Tem sido profundamente doloroso ver o nome Dior associado às lamentáveis declarações atribuídas ao seu estilista, por mais brilhante que ele seja", afirmou Toledano à plateia reunida sob uma marquise no jardim do Museu Rodin.

"Tais declarações são intoleráveis por causa de nossa obrigação coletiva de não esquecermos o Holocausto e as suas vítimas", acrescentou.

Dior - a joia da coroa da LVMH, maior conglomerado mundial de marcas de luxo - demitiu Galliano na terça-feira por causa de um vídeo em que ele, aparentemente bêbado, manifestava admiração por Adolf Hitler.

O cancelamento do desfile teria significado abrir mão de uma coleção inteira, na qual a empresa investiu muito, além da perda de uma temporada inteira de encomendas de compradores enviados a Paris por lojas de todo o mundo.

Alguns participantes do mundo da moda elogiaram a Dior por manter o desfile apesar da polêmica.

"Foi muito oportuno, tendo em conta a situação", disse à Reuters Ken Downing, diretor de moda da loja de departamentos Neiman Marcus, depois do desfile.   Continuação...

 
<p>Modelo apresenta cria&ccedil;&atilde;o do estilista John Galliano, da grife Dior, como parte da cole&ccedil;&atilde;o Outono-Inverno 2011/2012, na Semana de Moda de Paris. A elite da moda foi em peso na sexta-feira ao desfile, em apoio &agrave; "maison" que tr&ecirc;s dias antes demitiu Galliano por seus coment&aacute;rios antissemitas. 04/02/2011 REUTERS/Benoit Tessier</p>