ESTREIA-Velho Oeste é cenário para bichos estranhos em "Rango"

quarta-feira, 9 de março de 2011 16:40 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - Jesse James, Billy the Kid, Buffalo Bill, Butch Cassidy ... a lista de lendas do Velho Oeste é grande. Rango, protagonista da animação que estreia nesta quarta-feira, deve se juntar ao bando -- embora ele não seja, como os outros, um fora-da-lei. Na verdade, o camaleão é um ser estranho, nem bandido, nem mocinho, carrega em si uma ambiguidade típica daqueles capazes de se transformar conforme a necessidade.

Quando vemos o protagonista pela primeira vez, ele ensaia uma peça da qual participam uma boneca sem cabeça e um peixe de plástico. Quando o aquário onde estão todos cai do carro, se quebra e liberta Rango no meio do deserto, o camaleão precisa se reinventar -- ou melhor, descobrir, quem realmente é.

No filme, dirigido por Gore Verbinski (da série "Piratas do Caribe"), que estreia em cópias dubladas e legendadas, seria possível substituir os animais, que interpretam os personagens, por atores de verdade, sem qualquer perda para a história. James Stewart daria um Rango melhor que John Wayne, diga-se de passagem.

Rango, cujo nome vem da palavra 'durango', e não da gíria para refeição, chega a uma pequena cidade chamada Poeira, que vive assombrada pelo fantasma da seca -- tudo por conta de um prefeito que domina o abastecimento de água e com isso se mantém no poder há anos. Esta mera semelhança com a crise no Oriente pode ser acidental, mas, ainda assim, bem-vinda. Os animais depositam sua água num banco - ou seja, o líquido é uma metáfora para o dinheiro. Quando sabem da escassez, querem sacar todas as suas reservas, mas não conseguem, claro, porque não há água suficiente.

Nesse meio tempo, o protagonista, medroso e falastrão, conseguiu, pelas mãos do prefeito-ditador, o posto de xerife do local, ganhando admiração e confiança da população, que inclui baratas e toupeiras, entre outros seres. Falta apenas o amor de Feijão, a donzela nada desprotegida, dona de um sotaque caipira e muita vontade de salvar as terras de seu pai, que morreu.

Feijão é também uma personagem que se alinha em outra tradição cinematográfica: a órfã corajosa - entrando ao lado das recentes heroínas na mesma categoria de "Inverno da Alma" e "Bravura Indômita". Sua aversão inicial a Rango, claro, vai se transformando aos poucos, mas ela continua caipira e durona até o final.

A trama de "Rango", assinada por John Logan ("Gladiador", "O Último Samurai"), homenageia os antigos faroestes, com seus pistoleiros solitários, cidades empoeiradas e a luta de um homem contra a corrupção do poder e da moral. Uma banda de corujas violeiras mexicanas funciona quase como um coro das tragédias gregas -- comentando a ação e anunciando o possível destino do protagonista. Assim, ao mesmo tempo em que assume os clichês do gênero, o filme os subverte.

O que iluminará Rango e o fará compreender o seu papel na pequena cidade é o verdadeiro espírito do oeste -- representado por um sujeito à la Clint Eastwood, com cara de poucos amigos, alguma amargura e muita sabedoria adquirida pela vida.

A produção caracteriza-se por uma atenção especial para detalhes, tanto dos cenários, quanto dos personagens. Estes, aliás, não se curvam à ditadura do cinema infantil, que em geral pede criaturas fofinhas e engraçadinhas. Em "Rango", a bicharada é estranha, chega a ser feia mesmo, e não desperta simpatia num primeiro contato. Mas, com o bom humor e diálogos certeiros, eles ganham o público.   Continuação...

 
<p>Gore Verbinski, diretor de "Rango", posa para foto em Beverly Hills, em maio de 2007. A anima&ccedil;&atilde;o estreia no Brasil nesta quarta-feira. 16/05/2007 REUTERS/Mario Anzuoni</p>