ESTREIA-Wagner Moura reinventa farsante verídico em "VIPs"

quinta-feira, 24 de março de 2011 12:15 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - Se usasse sua imaginação para a literatura, Marcelo Nascimento da Rocha poderia, quem sabe, ser um criativo escritor. Mas, por diversos caminhos de uma vida que começou como filho de mãe solteira e pai desconhecido, ele acabou utilizando sua fantasia para fazer-se passar por outras pessoas, de sobrinho do dono de uma companhia de ônibus a herdeiro de uma grande empresa aérea, terminando na cadeia.

Sua vida, incrível, inspirou o livro "VIPs - Histórias Reais de um Mentiroso", de Mariana Caltabiano, que serve de base ao roteiro da ficção "VIPs", que é assinado por Bráulio Mantovani e estrelado por Wagner Moura. A obra venceu quatro prêmios no Festival do Rio 2010: melhor filme, ator (Moura), atriz coadjuvante (Gisele Froes) e ator coadjuvante (o argentino Jorge D'Elia).

A própria autora do livro realizou também o documentário "VIPs - Histórias Reais de um Mentiroso", que tem estreia prevista para abril.

Um dos atores mais requisitados do país - e já com papel acertado na ficção científica internacional "Elysium", do sul-africano Neill Blomkamp ("Distrito 9"), que começa a rodar em julho -, Moura recria o personagem real, sintonizando sua busca de identidade e de uma figura paterna.

O ator interpreta Marcelo desde a adolescência, quando o garoto, filho da cabeleireira Sílvia (Gisele Froes), começa a imitar os colegas e professores na escola. Já tem início aí sua inadequação e a rejeição dos outros, que o chamam de "bizarro".

Sem conseguir lidar com essa frustração com tudo e uma certa indiferença da mãe, Marcelo embarca num ônibus - já fingindo ser parente do dono da empresa proprietária.

Seguindo o sonho de tornar-se piloto de avião (a suposta profissão do pai ausente), Marcelo torna-se piloto de traficantes que fazem a rota Brasil-Paraguai. Aí, ele adota o nome de Dumont, depois, de Carrera, protegido do chefão argentino (Jorge D'Elia).

Depois de uma prisão, em que ele não denuncia ninguém, tem que sair de circulação. Volta para casa com uma boa recompensa em dólares do chefe. E inventa a maior aventura de sua vida: aluga um helicóptero, que ele mesmo pilota, e, acompanhado de dois seguranças, desembarca em pleno Carnaval num hotel de luxo, em Recife, usando o nome de Henrique Constantino, herdeiro da companhia aérea Gol.

O episódio, real, é famoso. Usando o nome de Henrique, o farsante deu entrevista no programa de Amaury Jr. (que aparece no filme no próprio papel), o que chamou a atenção da polícia e levou-o a outra prisão.   Continuação...