Grupo ligado a Madonna desiste de construir escola no Malauí

sexta-feira, 25 de março de 2011 11:57 BRT
 

LOS ANGELES (Reuters) - Uma organização beneficente apoiada pela popstar Madonna desistiu de seu plano de construir uma escola para meninas de famílias pobres no Malauí, devido a problemas de administração, informou o New York Times na quinta-feira.

A organização, Raising Malawi, demitiu seu conselho de diretores e substituiu seus integrantes por um novo grupo, que inclui a própria Madonna e seu empresário, disse o jornal.

"Foi tomada uma decisão refletida de arquivar o plano de criação da Academia Raising Malawi para Meninas, conforme concebida originalmente", disse Michael Berg, co-fundador da Raising Malawi, em email enviado na quinta-feira aos membros do centro que haviam contribuído para o projeto.

Não foi possível obter declarações na própria quinta-feira de Michael Berg, que é co-diretor da organização espiritual e educacional Kabbalah Center International, em Los Angeles.

O New York Times disse que o esforço para erguer a escola no Malauí caiu por terra depois de terem sido gastos 3,8 milhões de dólares com o projeto e depois de seu diretor executivo renunciar ao cargo, em outubro, devido a críticas a seu estilo de gestão e aos custos que ultrapassaram o orçamento previsto.

Madonna emprestou 11 milhões de dólares de seu próprio dinheiro à organização. Ela tem visitado o Malauí com frequência e adotou duas crianças desse país.

Na quinta-feira a cantora divulgou um comunicado ao New York Times dizendo que ainda pretende trabalhar com a Raising Malawi.

"Há uma crise real no ensino do Malauí", disse Madonna no comunicado. "Sessenta e sete por cento das meninas não chegam à escola secundária, e isso é inaceitável."

(Reportagem de Bob Tourtellotte)