Liz Taylor não acompanha Richard Burton em seu descanso eterno

domingo, 27 de março de 2011 14:32 BRT
 

Por Andrew Callus

CELIGNY, Suíça (Reuters) - Apesar de ter vivido um quarto de século a mais que ele e buscar a fama que ele desprezava, mesmo em seu lar por escolha, na Suíça, Elizabeth Taylor sempre teve Richard Burton como seu esposo mais querido.

De acordo com histórias contadas sobre eles, o casal deve se reencontrar na morte, e Burton, ator britânico que se casou com Taylor duas vezes, divorciando-se depois, está enterrado em Celigny, na Suíça.

Mas quando Taylor morreu nesta semana de insuficiência cardíaca foi decidido que a atriz iria descansar em Los Angeles, deixando Burton sozinho em seu túmulo tranquilo, situado a poucas centenas de metros do Lago Genebra.

Os habitantes da bela Celigny não estão surpresos.

"Ela não vinha muito", diz Jaqueline Esseiva, moradora de 78 anos que passou sua vida no povoado, onde um alcoólatra chamado Burton morreu de ataque cardíaco em 1984.

"(Ele) Não era elegante o bastante para ela. Muito simples. Ao invés disso ele foi amigável", acrescentou.

A mãe de Esseiva, que é de origem inglesa, costumava conversar com Burton, que não entendia francês, mas frequentava os dois principais bares do local nas décadas de 1960, 1970 e início da de 1980.

Burton era popular entre as crianças, que podiam brincar com os vidros elétricos de seu Cadillac preto. Moradores contaram que uma vez ele bateu o carro contra a parede depois de uma de suas comuns bebedeiras.   Continuação...