Criador de seriado "Raymond" sofre na Rússia e conta em filme

terça-feira, 26 de abril de 2011 15:01 BRT
 

Por Jill Serjeant

LOS ANGELES (Reuters) - "Raymond e Companhia" teria mais companhia ainda, quando o criador da série viajou a Moscou para contribuir em uma adaptação russa de sua comédia de TV.

Mas quando chegou à Rússia, Phil Rosenthal logo descobriu que os russos não partilhavam de seu gosto pelo absurdo da vida cotidiana em família, se recusaram a pagar por uma plateia no estúdio e queriam colocar em Raymond uma dona de casa usando salto alto.

Pior ainda, os roteiristas de televisão russos não hesitaram em dizer a Rosenthal que um dos mais amados seriados dos Estados Unidos não era realmente engraçado.

Rosenthal conta a história engraçada e terrível em "Exporting Raymond", que estreia nos cinemas dos EUA na sexta-feira. O documentário marca a sua primeira incursão no cinema.

"'Raymond e Companhia' é exibido dublado ou legendado em 148 países, então eu fui convencido de que funcionaria bem melhor do que funcionou Rússia", disse Rosenthal à Reuters em uma entrevista recente. "Eu acreditei que havia algum elemento que possivelmente seria universal."

Estrelado pelo comediante Ray Romano no papel do colunista esportivo descontraído Raymond Barone, e Patricia Heaton como sua mulher irritadiça, Debra, "Raymond e Companhia" é baseado na vida de Rosenthal. Ficou no ar por nove anos em horário nobre até 2005, e as reprises continuam a ser exibidas.

Rosenthal foi enviado a Moscou em 2008 para ajudar a supervisionar a versão russa do seriado, chamada "Todos Amam Kostya". As coisas já começaram um pouco sinistras, quando foi informado que precisava de seguro para sequestro e resgate.

Mas sua maior preocupação era convencer um grupo instável de produtores, diretores, roteiristas e atores quanto ao humor do seriado sobre a vida familiar.   Continuação...