Entusiasmo aumenta com aproximação do casamento real britânico

quinta-feira, 28 de abril de 2011 16:58 BRT
 

Por Michael Holden

LONDRES (Reuters) - Uma multidão montou acampamento em Londres e um número cada vez maior de chefes de Estado já desembarcou para o casamento de sexta-feira entre o príncipe William e Kate Middleton, uma cerimônia cheio de pompa que colocou a Grã-Bretanha e sua monarquia sob os holofotes da mídia internacional.

Para mostrar que por atrás do espetáculo real há sensibilidades políticas sérias, a Inglaterra retirou o convite da Síria, alegando que os ataques do país contra manifestantes pró-democracia tornou a presença de seu embaixador na ocasião inapropriada.

Para homenagear a mãe de William, a princesa Diana, que morreu num acidente de carro em Paris em 1997, o casal decidiu que será tocada no casamento a mesma a música que foi cantada no funeral de Diana na abadia de Westminster, mesmo local onde o casamento vai acontecer.

Em uma mensagem de agradecimento a todos os simpatizantes, o casal disse que está profundamente comovido com as manifestações de afeto que antecederam a cerimônia que vai combinar tradições ancestrais da monarquia com um toque de modernidade.

Kate não vai prometer que "obedecerá" William como parte dos seus votos diante dos membros da realeza, políticos, celebridades, familiares e amigos.

Entre os preparativos finais para a festa, a noiva, de 29 anos, participou de um ensaio nesta quinta-feira na abadia, o local da coroação dos monarcas desde Guilherme, o Conquistador, em 1066, acompanhada pelo irmão mais novo de William e padrinho, o príncipe Harry.

"Estamos muito felizes que vocês serão capazes de participar conosco da celebração no que esperamos que seja um dos dias mais felizes de nossas vidas", disseram William, o segundo na linha de sucessão ao trono, e Kate em nota oficial.

DIANA NOTADA POR AUSÊNCIA   Continuação...

 
<p>Kate Middleton chega ao hotel "The Goring" em Londres, na Inglaterra, um dia antes de seu casamento com o pr&iacute;ncipe William. 28/04/2011 REUTERS/Eddie Keogh</p>