Beijo na varanda sela casamento real diante de 1 milhão de fãs

sexta-feira, 29 de abril de 2011 18:46 BRT
 

Por Mike Collett-White e Michael Holden

LONDRES (Reuters) - O príncipe William, segundo na linha de sucessão do trono britânico, e sua namorada de longa data, Kate Middleton, casaram-se nesta sexta-feira na Abadia de Westminster em uma cerimônia suntuosa e cheia de pompa assistida por milhões de pessoas no mundo todo e que deu um novo ânimo à monarquia britânica.

Mais de um milhão de pessoas acenando bandeiras e cartazes lotaram ruas do centro de Londres para celebrar o casal, que se beijou duas vezes na varanda do Palácio de Buckingham para selar a união.

A multidão disputou espaço para acompanhar a passagem do casal e da cavalaria real, que os escoltou da abadia até o palácio, onde houve a troca de beijos acompanhada por um sobrevoo de aviões militares britânicos, incluindo alguns da 2a Guerra Mundial.

"A monarquia é como nossa Hollywood, os filmes, para nós", disse a californiana Diane Weltz.

Kate, que escolheu um vestido deslumbrante, mas simples, da grife britânica Alexander McQueen, tornou-se a primeira plebeia a se casar com um príncipe tão próximo ao trono em mais de 350 anos.

"Estou contente que o tempo tenha ficado firme. Tivemos um grande dia", disse ela em suas primeiras declarações após o casamento.

A jovem de 29 anos, cuja família materna tem tradição na mineração de carvão, leva consigo um senso de modernidade à monarquia e ajudou a restaurar a popularidade de uma instituição que estava em baixa desde a morte da popular princesa Diana, mãe de William, em 1997.

Charles Spencer, irmão de Diana que atacou duramente a monarquia durante o funeral dela na mesma abadia, disse à BBC que o casamento foi "muito emocionante", e acrescentou: "O único lado ruim em um dia perfeito foi Diana não estar aqui".   Continuação...

 
<p>Pr&iacute;ncipe William e sua esposa Catherine, duquesa de Cambridge, se beijam no balc&atilde;o do Pal&aacute;cio de Buckingham, depois de se casarem na abadia de Westminster, em Londres. 29/04/2011 REUTERS/Darren Staples</p>