Hollywood exalta a "atemporal e bela" Sophia Loren

quinta-feira, 5 de maio de 2011 12:55 BRT
 

Por Jill Serjeant

LOS ANGELES (Reuters) - John Travolta a descreveu como "a coisa mais deliciosa" a ter saído da Itália, Roberto Benigni cantou "O Sole Mio" para ela e Billy Crystal disse que ela foi seu "primeiro grande amor".

Hollywood compareceu em peso na noite de quarta-feira para homenagear Sophia Loren, 50 anos após ela ter se tornado a primeira pessoa a conquistar um Oscar de atuação por um papel em um filme não falado em inglês: o italiano "Duas Mulheres".

Loren, que está com 76 anos e conserva intactas suas curvas famosas, não assistiu à entrega dos prêmios da Academia em 1961. Na quarta-feira ela disse a uma plateia de 800 atores, diretores, amigos e familiares que nunca sonhou que uma italiana, atuando em um filme italiano, pudesse receber o prêmio mais importante do cinema.

"O prêmio da Academia mudou minha vida por completo", disse ela no tributo organizado pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas.

"Não há palavras para descrever minhas emoções neste momento. É difícil imaginar que 50 anos se passaram desde que recebi meu Oscar em casa."

Vista como a atriz italiana ainda viva mais famosa, com mais de 80 filmes em seu currículo, Loren recebeu um Oscar pelo conjunto de seu trabalho em 1991 e foi declarada "um dos maiores tesouros do cinema mundial".

Na quarta-feira ela foi festejada com homenagens e clipes de alguns dos papéis mais famosos de sua época áurea, entre os anos 1950 e 1970, incluindo "Casamento à Italiana", "Um Dia Muito Especial", "Ontem, Hoje e Amanhã" e os filmes de Hollywood "El Cid" e "O Homem de La Mancha".

Com a maioria dos atores e diretores com quem ela trabalhou já mortos há muito tempo -- Marcello Mastroianni, Gregory Peck, Frank Sinatra, Charlton Heston, Cary Grant, Marlon Brando e seu marido, o produtor Carlo Ponti --, os discursos ficaram a cargo de uma geração mais jovem.   Continuação...

 
<p>Sophia Loren posa para foto durante tributo organizado pela Academia de Artes e Ci&ecirc;ncias Cinematogr&aacute;ficas, em Beverly Hills, Calif&oacute;rnia. 04/05/2011 REUTERS/Fred Prouser</p>