ESTREIA-Nicole Kidman está em "Reencontrando a Felicidade"

quinta-feira, 5 de maio de 2011 13:44 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - Não é fácil conversar com Becca (Nicole Kidman, indicada ao Oscar) e Howie (Aaron Eckhart). Sempre é preciso ter muito tato, pensar duas vezes antes de tocar em algum assunto, fazer mil rodeios e certificar-se de que não vai trazer à tona qualquer lembrança do casal sobre a grande tragédia por que passou há menos de um ano.

Por isso, os primeiros minutos de "Reencontrando a Felicidade" são quase um mistério. Os personagens conversam, mas o público percebe que não falam sobre tudo. Há uma artificialidade, um receio.

Só mais tarde se vai entender tanto cuidado. Há oito meses, o casal perdeu o filho pequeno e ainda tenta lidar com essa dor. Eles procuram um grupo de ajuda, que parece funcionar melhor para Howie, enquanto sua mulher bate de frente com pessoas que vivem a mesma situação e buscam explicações, quando não há. Ela, por sua vez, encerra-se em seus demônios pessoais, parecendo que a dor é mais um conforto do que algo a ser superado.

À primeira vista, "Reencontrando a Felicidade" não parece o material ideal para o terceiro filme de John Cameron Mitchell, cuja obra consiste de "Shortbus" e "Hedwig - Rock, Amor e Traição" - filmes em que a questão da sexualidade (até com sexo explícito) era o centro.

Neste novo longa, por sua vez, Becca e Howie são praticamente assexuados - embora exista uma tentativa frustrada de sedução.

Por outro lado, o diretor demonstra ter a sensibilidade certa para este material, adaptado por David Lindsay-Abaire, baseado em sua peça ganhadora do Pulitzer.

Boa parte da força de "Reencontrando a Felicidade" vem de seu texto, dos bons diálogos e da forma como a narrativa se abre, com a tensão crescendo de forma gradativa. Uma das melhores cenas acontece quando Howie e Becca começam a discutir sobre um assunto e culminam numa disputa para saber qual dos dois tem mais culpa na morte do filho. Eles não culpam um ao outro, mas cada um a si mesmo.

A situação torna-se mais delicada quando a problemática de Becca, Izzy (Tammy Blanchard), engravida e a mãe delas, Nat (Dianne Wiest), insiste em comparar a morte do neto com a do seu próprio filho.

O que nenhum personagem parece perceber - e nisso inclui-se a própria Becca - é que ela não está preparada para lidar com a dor ou seguir em frente, termos apenas paliativos que os grupos de ajuda tanto gostam de usar. Ninguém tem a coragem de sugerir que ela procure outros tipos de apoio.   Continuação...

 
<p>Nicole Kidman chega &agrave; cerim&ocirc;nia dos Oscars em Hollywood, em fevereiro. Seu filme "Reencontrando a Felicidade" estreia neste final de semana em circuito nacional. 27/02/2011 REUTERS/Mario Anzuoni</p>