Pai de Sarkozy confirma gravidez de Carla Bruni, diz jornal

terça-feira, 17 de maio de 2011 10:27 BRT
 

BERLIM/PARIS (Reuters) - A primeira-dama da França, Carla Bruni, está grávida, disse nesta terça-feira um jornal alemão citando o pai do presidente francês, Nicolas Sarkozy, aparentemente confirmando um tema que foi alvo de semanas de especulações.

Rumores de que a ex-modelo estaria grávida circularam pela França desde que Bruni cobriu sua barriga com um xale durante entrevista a um jornal no começo de maio, e aumentaram depois que ela se esquivou de perguntas com as palavras "meus lábios estão selados para proteger alguma coisa..."

Bruni, de 43 anos, vestiu uma camiseta larga e uma jaqueta durante uma aparição na TV francesa TF1 na segunda-feira, e quando o apresentador disse à ela enigmaticamente que não iria perguntar sobre sua vida pessoal, mas que gostaria de parabenizá-la, ela riu e o parabenizou de volta.

"Os dois não querem saber o sexo (do bebê) com antecedência, mas tenho certeza de que será uma menina e tão linda como Carla", disse Pal Sarkozy, segundo o jornal Bild.

O gabinete de Sarkozy não comentou o assunto, afirmando se tratar da vida pessoal do presidente.

A mídia francesa especulou que o volume maior na região abdominal indicavam que Bruni, normalmente magra, poderia estar grávida de gêmeos.

Convidados de um recente jantar com a mãe de Bruni, Marisa Bruni Tedeschi, na Itália, disseram que ela havia sugerido que um novo bebê estava a caminho, segundo o jornal La Stampa.

Sarkozy, o líder mais impopular da França em décadas e que enfrenta uma dura batalha pela reeleição no próximo ano, poderia se beneficiar nas pesquisas de opinião com um nascimento presidencial.

(Reportagem de Yann Le Guernigou)

 
Carla Bruni-Sarkozy, a primeira-dama da França, antes de entrevista ao vivo na TV francesa TF1, em Paris. Bruni está grávida, disse nesta terça-feira um jornal alemão citando o pai do presidente francês, Nicolas Sarkozy, aparentemente confirmando um tema que foi alvo de semanas de especulações.
16/05/2011 REUTERS/Thibault Camus