ESTREIA-Vaza água na quarta edição de "Piratas do Caribe"

quinta-feira, 19 de maio de 2011 12:08 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - Não se trata de uma hipótese. O que a experiência da indústria do cinema norte-americano prova e as bilheterias confirmam é que nem mesmo o mais carismático dos personagens resiste a uma franquia maior que três filmes.

Basta ver o triste fim de "Shrek", "Jogos Mortais", "Resident Evil", "Alien", "O Exterminador do Futuro", "Indiana Jones", entre outras longevas bobagens assumidas, como "Sexta-Feira 13" e "A Hora do Pesadelo".

Em determinado momento, o público se cansa do "mais do mesmo" e pode até se ressentir com a falta de cuidado com que seus personagens que viraram ícones são descaracterizados, produção após produção.

Embora "Piratas do Caribe - Navegando em Águas Misteriosas", o quarto da série e desta vez em 3D, ainda tenha fôlego, já mostra sinais claros de que o bote parece pequeno demais para o arredio mar em que navega.

Nesta sequência, Johnny Depp volta a interpretar o excêntrico capitão Jack Sparrow, o grande responsável pelo sucesso da série. Com a mistura de humor pastelão e ironia (lembre-se, aqui, graças à liberdade do ator em moldar seu personagem), o então coadjuvante roubou a cena do par romântico (interpretado por Orlando Bloom e Keira Knightley) já no primeiro filme e se impôs absoluto no papel de protagonista.

Com o triângulo amoroso pra trás, o pirata se volta a uma nova aventura, desta vez, para encontrar a famosa fonte da juventude, como anunciado no final do filme anterior. No entanto, ele não estará sozinho na empreitada. Concorrem com ele seu rival, o capitão Barbossa (Geoffrey Rush), a mando do Rei George da Inglaterra, o Exército do rei espanhol Fernando, e a bela pirata Angélica (Penélope Cruz), cujo pai é o temido Barba Negra (Ian McShane, de O Aprendiz de Feiticeiro).

Depois de ser enganado por Angélica, com quem teve um romance, Sparrow é obrigado a embarcar no enfeitiçado navio de Barba Negra, o "Vingança da Rainha Ana" e sua tripulação de zumbis, onde deverá ajudá-los a encontrar o paradeiro do tal mito. Para isso, eles deverão, mais do que saber a localização, encontrar os ingredientes para um misterioso ritual envolvendo sereias e o lendário tesouro do explorador espanhol Ponce de León.

As invenções dos roteiristas Ted Elliott e Terry Rossio, que até então vinham dando certo, se perdem nesta produção. Embora acertem nos diálogos, em especial de Sparrow e Barbossa, deixaram de lado as vertiginosas sequências de combate entre navios que, no fim, dão alma aos filmes de piratas. Ao contrário, dão preferência a raros combates em terra, invariavelmente em cenas escuras, onde os efeitos especiais perdem vigor.

Não deixa de ser curiosa a escolha do diretor Rob Marshall, que levou os musicais "Chicago" e "Nine" para o cinema, e também responsável pelo caricatural "Memórias de uma Gueixa". Embora competente, fica a dúvida se foi a escolha acertada para levar a cabo um filme que exige agilidade contínua e uma visão inovadora na forma e conteúdo.   Continuação...

 
Penélope Cruz na estreia do filme "Piratas do Caribe - Navegando em Águas Misteriosas", em Munique, na Alemanha. O filme estreia neste final de semana em circuito nacional. 16/05/2011    REUTERS/Michaela Rehle