Almodóvar pega Cannes de surpresa com filme de horror

quinta-feira, 19 de maio de 2011 19:19 BRT
 

Por Nick Vinocur

CANNES (Reuters) - Horror, suspense e cirurgia plástica descontrolada renderam um misto explosivo na quinta-feira com "A Pele que Habito", em que o diretor espanhol Pedro Almodóvar mergulhou num terreno mais sombrio em sua tentativa de conquistar o prêmio máximo no Festival de Cinema de Cannes.

Estrelado por Antonio Banderas e Marisa Paredes, o filme representa uma mudança radical para o diretor, cujos trabalhos normalmente divertidos e originais lhe valeram dois prêmios em Cannes, mas nunca a Palma de Ouro de melhor filme.

Adaptado de um romance francês, "A Pele que Habito" é a história tortuosa de um cirurgião plástico (Banderas) que desenvolve uma nova e revolucionária pele resistente ao fogo e à malária, depois de sua mulher sofrer queimaduras pavorosas em um acidente de carro.

Uma tragédia se abate sobre ele novamente quando sua filha comete suicídio, levando-o para uma história de vingança, prisão e abusos em um filme incomumente tenso do premiado com o Oscar de diretor de "Fale com Ela", "Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos" e "Volver".

Sombrio, "A Pele que Habito" é um filme que induz à reflexão e se inspira nos gêneros do horror e da ficção científica para explorar o que acontece quando um cientista perde o contato com sua humanidade, oferecendo uma visão moderna do clássico "Frankenstein", de 1931.

Almodóvar disse que mergulhou em literatura médica quando fez as pesquisas para seu filme, que propõe questionamentos sobre os perigos potenciais de novas tecnologias como a engenharia genética e o cultivo de órgãos humanos em laboratório.

"Não é um filme de ficção científica, porque esses experimentos já existem. Há um laboratório em Granada onde produzem pele artificial", disse Almodóvar em entrevista coletiva, após a sessão lotada em que o filme foi exibido para a imprensa.

As primeiras críticas feitas a "A Pele que Habito", um dos filmes mais aguardados do festival, depois de "A Árvore da Vida", de Terrence Malick, foram positivas, desmentindo os aplausos um tanto quanto moderados após a sessão.

 
O cineasta Pedro Almodóvar (esquerda) posa com membros do elenco de seu novo filme, "A Pele que Habito", Antonio Banderas (direita), e Marisa Parede (centro) em sua chegada ao tapete vermelho da 64a edição do Festival de Cannes. 19/05/2011 REUTERS/Vincent Kessler