Cannes expulsa Lars von Trier por declarações sobre Hitler

quinta-feira, 19 de maio de 2011 14:07 BRT
 

Por Mike Collett-White e Nick Vinocur

CANNES (Reuters) - O Festival de Cinema de Cannes expulsou nesta quinta-feira o cineasta dinamarquês Lars von Trier devido às declarações dele, dadas em tom de brincadeira, dizendo-se nazista e simpatizante de Hitler, que deixaram a maior vitrine do cinema mundial em estado de choque.

As declarações de Von Trier ultrajaram grupos judaicos e levaram a atriz norte-americana Kirsten Dunst a demonstrar constrangimento por estar ao lado dele em uma coletiva de imprensa, na quarta-feira, em que o cineasta se lançou em um monólogo bizarro sobre sua ascendência judia e alemã.

O diretor de 55 anos, antes um dos queridinhos de Cannes, tendo recebido a Palma de Ouro em 2000, apressou-se a pedir desculpas, mas foi pouco e tarde demais.

"O conselho de diretores condena inequivocamente essas declarações e declara Lars von Trier 'persona non grata' no Festival de Cannes. Isto entra em vigor imediatamente", disseram os organizadores em comunicado à imprensa na quinta-feira.

O Grupo Americano de Sobreviventes do Holocausto e Seus Descendentes, que se queixou logo depois que as observações de Von Trier foram divulgadas, saudou a decisão de Cannes de expulsar o cineasta.

"Os organizadores do Festival de Cinema de Cannes assumiram uma posição moral resoluta contra expressões arrogantes de ódio e insensibilidade perante os brutalizados pelos nazistas, judeus e não judeus", disse o vice-presidente do grupo, Elan Steinberg.

"Não podemos olhar dentro do coração de Von Trier para avaliar a sinceridade do 'pedido de desculpas' que ele fez. Apenas suas palavras e seus atos futuros nos poderão dizer se ele compreende a dor que provocou."

A principal organização judaica da França, CRIF, disse que as declarações fazem parte do que ela descreveu como "a tendência preocupantes de normalizar o nazismo".   Continuação...