Descendentes de vítimas marcam 100 anos do lançamento do Titanic

terça-feira, 31 de maio de 2011 12:50 BRT
 

Por Ivan Little

BELFAST (Reuters Life!) - Descendentes de algumas das 1.517 pessoas que morreram quando o Titanic se chocou com um iceberg e afundou fizeram um minuto de silêncio, nesta terça-feira, no local onde o transatlântico foi lançado com grande festa um século atrás.

Um sinal luminoso foi lançado precisamente às 11h13 GMT (8h13 de Brasília), e a multidão aplaudiu para lembrar o aniversário do lançamento fatídico, em 31 de maio de 1911, do transatlântico que era na época o maior navio a vapor de passageiros já construído.

Depois de seu lançamento em Belfast, o Titanic zarpou para Southampton, de onde iniciou sua fatídica viagem inicial para Nova York.

Durante anos Belfast evitou reconhecer sua ligação com o transatlântico, construído por 1.500 operários no estaleiro Harland e Wolff, mas recentemente a cidade decidiu reconhecer ser o lugar de nascimento do navio mais famoso do mundo.

"O Titanic não tem sido mencionado com frequência nos últimos 100 anos. Ele tem sido nossa vergonha, nosso segredo", disse o padre Chris Bennett, que liderou a cerimônia memorial.

"Mas hoje estamos procurando redescobrir nosso orgulho. Como gostam de dizer as pessoas daqui: o Titanic estava muito bem quando nos deixou".

Mais de 7 bilhões de libras (11,5 bilhões de dólares) foram investidos na construção de escritórios, hotéis e parques de ciências em partes do local ocupado pelo antigo estaleiro, hoje conhecido como Bairro Titanic, e em 2012 será aberto um centro de visitantes interativo, ao custo de 97 milhões de libras, baseado na história do navio.

As autoridades turísticas esperam que o interesse mundial pelo Titanic atraia milhares de visitantes para a cidade, gerando milhões de libras para a economia.

Foi inaugurada na terça-feira uma enorme exposição sobre o Titanic nas margens do Lago Belfast.

Estão expostos mais de 500 artefatos que vão desde uma planta original de cinco metros de comprimento do navio até 35 objetos recuperados dos destroços e que estão sendo exibidos na Irlanda do Norte pela primeira vez.