Vestido ícone de Marilyn Monroe é vendido por US$4,6 milhões

segunda-feira, 20 de junho de 2011 16:19 BRT
 

Por Mary Slosson

BEVERLY HILLS, EUA (Reuters) - O vestido marfim pregueado que Marilyn Monroe usou na cena ícone de "O Pecado Mora ao Lado" foi vendido por 4,6 milhões de dólares em um leilão para figurinos de Hollywood no final de semana, excedendo de longe as estimativas.

O vestido, conhecido pela cena em que é soprado pelo vento da estação de metrô, talvez seja o mais lembrado da história do cinema. No filme de Billy Wilder, de 1955, um trem de passagem sopra um vento pela grade na calçada, levantando o vestido de Monroe, enquanto ela diz: "Não é delicioso?"

A estimativa era de que a criação de William Travilla fosse vendida por 1 milhão a 2 milhões de dólares, a peça mais valiosa de um leilão de 12 horas com quase 600 trajes e itens vendidos no sábado pela atriz Debbie Reynolds, em Beverly Hills.

O vestido vermelho de lantejoulas de Monroe, usado no filme "Os Homens Preferem as Loiras" foi vendido por 1,2 milhão de dólares. A estimativa inicial era de 200 mil a 300 mil dólares. O vestido estilo Ascot de Audrey Hepburn, de "Minha Bela Dama", que foi estimado no mesmo valor, arrecadou 3,7 milhões de dólares.

A coleção também incluiu figurinos de outras estrelas de Hollywood como Grace Kelly, Natalie Wood, Elizabeth Taylor, Madonna e Mike Myers.

Reynolds, de 79 anos, reuniu uma coleção impressionante quando era uma jovem atriz contratada pela MGM. Quando o estúdio leiloou tudo menos seus bens imobiliários em 1970, ela transformou um passatempo em algo que chamou de "obsessão."

Mas seu sonho de expor seus amados artigos de vestimenta em um museu foi frustrados quando um projeto de Tennessee faliu em 2006, obrigando a atriz a vendê-los para pagar seus credores.

"Agora todos têm a oportunidade de tê-los", disse Reynolds.

 
O vestido marfim pregueado que Marilyn Monroe usou na cena ícone de "O Pecado Mora ao Lado", filme de 1955, é exibido em 6 de junho de 2011. A peça foi leiloada por 4,6 milhões de dólares. 06/06/2011 REUTERS/Fred Prouser