Ator de "Glee" revela problema com drogas na adolescência

sexta-feira, 24 de junho de 2011 08:41 BRT
 

LOS ANGELES (Reuters) - O ator Cory Monteith, da série "Glee," teve tantos problemas com drogas na adolescência que seus amigos chegaram a temer por sua vida.

Monteith, 29 anos, interpreta Finn Hudson, um ingênuo astro colegial do futebol americano, na série cômico-musical de TV. Mas o canadense disse à revista Parade que nunca foi tão tranquilo e bem comportado quanto seu personagem, e que aos 13 anos já cabulava aulas para consumir álcool e fumar maconha. Aos 16, quando abandonou os estudos definitivamente, já havia passado por 12 escolas.

"Queimei muitas pontes. Estava sem controle", disse Monteith à Parade. "Eu tive um problema sério (com drogas)... (Consumia) toda e qualquer coisa o máximo possível."

Temendo que "pudesse morrer," a mãe dele e alguns amigos realizaram uma intervenção quando ele tinha 19 anos. "Foi quando eu fui pela primeira vez para a reabilitação. Passei uma temporada, mas aí voltei a fazer exatamente o que eu havia deixado de fazer."

Só depois ele resolveu largar o vício. "Roubei uma quantia significativa de dinheiro de um familiar", contou o ator. "Eu sabia que seria apanhado, mas estava tão desesperado que nem liguei. Foi um grito de socorro. Foi confrontado e disse: 'É, fui eu'. Foi a primeira coisa honrada e verdadeira que saiu da minha boca em vários anos."

Monteith disse se sentir "com sorte por estar vivo" após essa juventude conturbada.

Desde que apareceu em "Glee," Monteith já foi chamado para vários filmes, inclusive a comédia romântica "Monte Carlo", que estreia em julho, na qual contracena com a estrela da Disney Selena Gomez e com Leighton Meester, de "Gossip Girl."

A entrevista de Monteith foi publicada na edição de 25 de junho da Parade.

(Reportagem de Jill Serjeant)

 
Cory Monteith na estreia da segunda temporada da série "Glee", em Los Angeles, em 2010.  O ator teve tantos problemas com drogas na adolescência que seus amigos chegaram a temer por sua vida.
07/09/2010  REUTERS/Mario Anzuoni